segunda-feira, 3 de junho de 2013

Após um ano de idade, amamentar? Sim! E o leite rico em DHA.

Depois do primeiro contato com a amamentação, do processo de dificuldade, do processo de descobrir o prazer, do processo de, muitas vezes, volta ao trabalho, a mãe encontrou a paz naquele momento tão especial de amamentar seu filho. Delícia!
 
Mas a mãe não sabia o que viria lá na frente. O bebê fez um ano, e de repente, todo aquele leite maravilhoso que ela tinha, que ela ouviu falar, das orientações da OMS, virou... sabe se lá o quê?!?
Amamentar não é um dever. Mas é um direito. Se você e o seu bebê quiser, você pode continuar amamentando. 
 
 
Por que, de repente e aos poucos, as críticas foram aumentando. "essa criança tá grande", "ainda tem leite?", "esse leite não serve mais pra nada"...
 
Ou pior (e mais cruel, eu acredito), tudo o que estiver acontecendo de "ruim", a culpa é do (pobre) aleitamento materno. Mãe tá magra demais? Cabelo tá caindo? Criança não come comida? Criança com cárie? Tudo culpa do leite materno. Ninguém olha ou quer olhar os outros fatores, e colocam, facilmente, a culpa no leite materno, afinal "essa criança, tá grande", "ainda tem leite?", blá,blá,blá. Cansou né? Eu também.
 
Como pode, um alimento passar de padrão ouro, do melhor do mundo, para o limbo em apenas um ano?
 
Estou aqui, pensando sobre isso, e olha só, quem vem reforçar novamente a importância do leite materno a partir de um ano. A indústria! Estou louca? Não. Você vai concordar comigo!
 
Três grandes indústrias estão no páreo, com 3 fórmulas específicas para crianças com mais de 1 ano de idade. Fórmulas especiais, com maior adequação de nutrientes, melhor proporção entre eles, nutrientes que não cabem no leite de vaca comum, como prebióticos, vitaminas, minerais. A fórmula mais premium tem o maravilhoso DHA, que compõe o ômega 3, ácido graxo super especial que participa do processo de mielinização do cérebro do bebê, fazendo-o alcançar o seu maior potencial genético em relação ao aspecto cognitivo. Resumindo, com esse nutriente, o cérebro fica mais preparado para aprender, e para enxergar.
 
Sabe em que essas fórmulas foram baseadas? Em que padrão, em que alimento? No padrão ouro, no que você tem em casa, mais simples e muito mais completo: o leite materno!!
 
Se as indústrias estão focando na fabricação e venda de produtos que imitam (grosseiramente, claro, pois trata-se de uma alimento inimitável), então, afinal, o original aqui é o melhor para o meu filho!!!
 
Se o leite materno realmente não fosse o melhor, porque esse corre-corre para fazer algo minimamente parecido com ele para crianças maiores de 1 ano?
 
Quer saber do melhor? O leite materno se modula, sim, em relação ao que a mãe come.Se come mais alimentos com ômega 3, mais ômega 3 terá o leite.  Mas o basal, aquela quantidade de nutrientes mínima adequada para a criança nem depende do que ela come. Dá uma olhada no quadro abaixo. Leites humanos devidamente analisados, e quantidades de ômega 3 e DHA. Não, eu não quero ser muito científica, mas um dado de referência bibliográfica sempre reforça o argumento, não?  E o leite das brasileiras é um dos leites mais ricos em ômega 3 e DHA, segundo estudos! Brasil sil, sil.
 
Será que todas essas mães comem um monte de ômega 3?  Ó sábia natureza!
 
 
É isso aí. Mais um argumento para conversar com aquela pessoa que te pede para desmamar. O desmame pertence ao trinômio, pai, mãe, filho. Talvez mais ao filho.
Amamente o quanto quiser, quando quiser, até quando quiser, não é dever, mas é um direito seu e ponto final!
 
Amamentação até 2 anos ou mais. A gente apoia por aqui ;).