quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Fim de ano e reflexões - o que o mundo come

Olá pessoal!
Dezembro é um mês cheio, onde geralmente fechamos ciclos de trabalhos, pensamos em compras de Natal, encontramos pessoas queridas e principalmente,  refletimos. Sobre o que realizamos, sobre o que queremos realizar. Sobre o que é importante, o que deixou de ser e o que começa a ser importante.
E eu convido vocês, queridos leitores e companheiros virtuais deste ano, a fazer uma reflexão em relação ao que comemos, como comemos, onde comemos, e como levamos a comida para nosso porto seguro, nossa família.
Tenho um livro em casa que gosto muito, acho muito interessante, seu nome é " Hungry Planet - What the word eats" de Peter Menzel e Faith D'Aluisio.
O livro é uma obra fotográfica de diversas famílias do mundo mostrando o que elas consomem ao longo de uma semana. Lá também descreve alguma receita ou comida predileta, quanto é gasto com a comida por semana e quanto dinheiro é destinado a cada gênero alimentício.
Os contrastes são, bem.... veja você mesmo!

Itália, gasto semanal de 260,11 dólares


Japão, gasto semanal em 317,25 dólares

Chade, gasto semanal com a comida em 1,23 dólares

Equador, gasto semanal em 31,55 dólares


Estados Unidos, gasto semanal em 341,98 dólares


França, gasto semanal em 419,95 dólares


Guatemala, gasto semanal em 75,70 dólares


      E para você, o que é valor quando falamos de comida? O que não falta em sua casa semanalmente? Já deixou de comprar algo para comer por conta de seu preço? Já lançou daquela frase típica " tem criança passando fome", quando quer convencer seu filho a comer tudo?
Comida, para nós, seres humanos, é muito. Pode significar carinho, atenção, satisfação, reunião em família, saúde ou falta de , sofrimento, ansiedade....reflita sobre o que a comida vai representar na sua vida e de em 2012!
E aguardem por aqui muitas novidades, postagens mais frequentes, exemplos de cardápios (por conta dos pedidos de queridas mamães que aparecem por aqui), informações especiais...

Para todos vocês, meus sinceros votos de felicidade, realizações, saúde e grande alegria em 2012! Um grande beijo e até lá! 

terça-feira, 29 de novembro de 2011

5 vegetais que as crianças gostam!

Boa tarde!

Seu filho não come os vegetais com facilidade? Que tal oferecer alguns com altas taxas de boa aceitação? Lembre-se de servir de uma maneira bem bonita e preparar com muito capricho, com temperos e ervas naturais, e comer em uma refeição junto com seus filhos:
Tomate Sweet Grape
Campeão das preferências, como o nome sugere, este tomate é levemente doce, agrada em cheio o paladar dos pequenos. Difícil uma criança que não se encanta. Cuidado apenas,  na hora de servir. Para evitar engasgos (seu formato favorece), sirva pela metade, conforme a foto, ou ensine seu filho a morder, olhar, e comer o restante (assim o tomate necessariamente é consumido primeiro uma metade, depois a outra, evitando acidentes).

Mini agrião
Tem o sabor bem mais suave que o agrião de tamanho normal. O segredo aqui, para facilitar a aceitação, é mostrar o tamanho do normal, depois o mini e comentar com a criança que ele foi feito especialmente para crianças (uma fantasia sem brincadeiras mirabolantes ajuda na aceitação). O precinho é um pouco mais salgado, mas o valor de ver seu filho comendo o verdinho vale a pena.
Alface Americana
O diferencial desse tipo de alface é a crocância, que agrada também ao paladar infantil. Mastigue ao lado do ouvido do seu filho, mostre o barulho que faz. Ele será instigado a "fazer barulho" também.

Cenoura em palito
Crua ou levemente cozida no vapor, esse vegetal é apreciado sozinho, e também acompanhado de algum molho, pasta ou patê para a criança molhar antes comer. A possibilidade de comer com as mãos, de "petiscar", encanta as crianças.
Brócolis Ninja
Ao contrário do que propagandas pregam por aí, criança gosta sim, de brócolis. Basta que os pais também comam e exista um incentivo ao consumo. O brócolis é a famosa "arvorezinha", bem temperada, com cor vibrante, as crianças costumam apreciar bastante (mesmo que no início prefiram só  a"copa" da árvore, deixando o "tronco" de lado).

Caso seu filho tenha outros vegetais entre os preferidos, conte pra gente!
Beijos e uma ótima semana!



terça-feira, 22 de novembro de 2011

Receita - Nuggets de Peixe

Nuggets? Este poooooode!!!

Fiz em casa no último feriado. Uma receita que junta muito do que eu acho ideal: saudabilidade, facilidade, sem fazer muita sujeira, uma nova maneira de consumir um alimento que algumas crianças torcem o nariz: o peixe. Comprei este filé no mercado, que estava em promoção e inventei a receita com algumas idéias da minha sogra.


Nuggets de peixe

Ingredientes

- 3 filés de pescada do sul
- 2 limões
- tempero fresco a gosto (usei orégano e mix de pimenta. Tomilho fica uma delícia)
- quanto baste de sal
- 1 e 1/2 xícara de farofa pronta (escolha uma com pouco sódio e pouca gordura, olhar no rótulo)
- Azeite extra-virgem para untar a forma

Corte os filés do tamanho do nugets que quiser, passe a mão neles para verificar qualquer espinha (nos meus não tinham) e reserve. Misture o limão com os temperos frescos. Passei cada file no limão, depois na farofa pronta, apertando os filézinhos para que a farofa fixe no filé. Disponha os filés em uma forma untada com o azeite. Eu uso uma muito boa aqui em casa, ela é de cerâmica com antiaderente, o que facilita assar qualquer alimento sem grudar. Deixe por cerca de 30 minutos, virando depois dos primeiros 20 minutos. Mas só vire se estiver sequinho. Fica uma delícia! Parece a milanesa, com a diferença que não é frito!
Receita boa para crianças acima de 1 ano!

Até a próxima!

sábado, 12 de novembro de 2011

Alguns alimentos específicos e a alimentação do seu filho

Bom dia pessoal!

As indústrias alimentares geralmente recomendam uma faixa etária para começar a ofertar certos alimentos às crianças. Alimentos que geralmente já fazem parte da alimentação infantil desde bebezinhos. Conheçam alguns:


Farinha Láctea: a partir de 4 anos;

Ades: a partir de 3 anos;


Iogurtes Petit Suisse (Danoninho, Chambinho): a partir de 4 anos;
Neston: a partir de 4 anos;
Ninho Solei: a partir de 4 anos;
Actimel: a partir de 4 anos; 
Activia: a partir de 4 anos.
Lembrando que as faixas etárias recomendadas são informadas pela INDÚSTRIA, a parte do processo que, além de outras coisas, visa lucrar com estas vendas....se a própria indústria indica, mais a orientação do pediatra e principalmente a indicação da nutricionista, você se sente segura de ofertar estes alimentos pro seu bebê, ou seu pequenino de 2 anos?
Às vezes o que eu ouço como justificativa: meu bebê come isso desde os 4 meses e é uma criança super saudável. O que eu digo é: as consequências, às vezes, não vem agora. E sempre aumenta a probabilidade do seu filho ter uma doença associada a alimentação,  comendo inadequadamente ele está mais perto de ficar doente do que a criança que come corretamente. Você quer isso pro seu pequeno? Eu não gostaria.
Se a criança não escovar os dentes, vai aparecer cárie amanhã? Ou o processo também demora um pouco? Pois é! Assim é com a alimentação (nem sempre,  a consequência também pode vir na hora como uma imunidade baixa, colesterol alto, um problema intestinal e outras cositas más!).
Lembrando que alimentação saudável é um conjunto de coisas: frutas, legumes, arroz e feijão quentinho, carninha saborosa, um espetinho de peixe, uma espiga de milho, um bolo caseiro, um pão delicioso com um recheio, um iogurte, leitinho, uma refeição em família, se sujar comendo, enfim, prazer! Dá pra manter a criança sem comer alguns industrializados que não são indicados para a idade dela.
Pense nisso ;)



sábado, 5 de novembro de 2011

Meu filho não come - parte 3 dica especial!

Olá pessoal!

Vira e mexe, escrevo algo da minha vida pessoal aqui no blog, pois, como sabem, além de nutricionista infantil, sou mãe. Isto significa que muitas das dicas que escrevo aqui acontecem in loco na minha casa.
Hoje vou contar um episódio pessoal. Minha filha faz parte da série "filhos que não comem" - está entre aspas, pois quero dizer que ela não come muito, não que não come. Sempre foi assim, desde bebê. Bom, eu tenho uma facilidade em lidar com isso pois posso eu mesma, fazer avaliações que permitam verificar se ela está saudável. E ela sempre está, peso ideal pro tamanho, sem problemas nutricionais, comendo o que precisa para ter uma boa saúde.
Mas quem tem um "filho que não come" sabe do que estou falando. Qualquer coisa acaba com o apetite da criançada, e as vezes a criança quer pular uma refeição, o que deixa qualquer mãe preocupada. Somada a idade da minha filha, pré-adolescente, em que a demanda nutricional volta a crescer e a teiomosia também, não é uma coisa que posso deixar de lado.

Qualquer coisa tira o apetite da minha filha. E nessa semana que passou, dia 31 de outubro, foi o dia do Hallowen. Aqui no prédio, as crianças fazem a brincadeira parecida com a feita nos EUA, "trick or treating", e a nossa casa ficou cheia de balas. Quem me conhece sabe que não permito balas à vontade, pelo valor nutricional inexistente e também por tirar o apetite da Bia. E foi o que aconteceu, ela chupa bala e perde o apetite...

Também estava virando a cara pro arroz integral, o que ela comeu sempre tão bem. Pensei em uma estratégia para trazê-la novamente para o mundo da nutrição saudável.
Coisas boas estão ligadas a sensações boas como um todo. Organizei minha agenda para um dia pegar a Bia na escola no horário do almoço e fiz a proposta de um almoço especial mãe e filha em plena semana. A levei para um restaurante que eu adoro, o Moema Natural, e que já tinha comentado com a Bia. Moramos na Zona Leste de São Paulo, portanto teríamos (um bom) tempo para conversar no carro até lá.

O ambiente é gostoso, servem comidas maravilhosas e a Bia, sem pressão e num momento especial - o dia mãe-filha - comeu bem e se divertiu. Tudo bem que ela comeu o básico (arroz, purê de batata, alface, tomate, brócolis, vinagrete e proteína de soja pro almoço junto com o suco de frutas e de sobremesa, melancia, pavê de manga e gelatina) pois lá existem muitas opções de saladas e pratos diferentes, mas ela comeu bem. Disse que adorou o lugar e que achou muito legal não ter refrigerante (lá tem pra vender, mas eu não disse nada, uma pequena omissão)!

Então a dica é a seguinte: inclua a alimentação saudável em momentos especiais, sem brigas, num momento e em um ambiente agradável! Já percebeu que é assim com os doces? Festas, comemorações e afins são sempre recheados de guloseimas. Vamos usar a mesma estratégia para incentivar o consumo de vegetais, frutas, cereais....

O site do restaurante Moema Natural é http://www.moemanatural.com.br/. Vale várias visitas!!!!

domingo, 30 de outubro de 2011

Transtorno Alimentar na infância

Olá pessoal!!!

Nesta sexta-feira que passou, dia 28 de outubro, a modelo Carolina Bittencourt liderou uma passeata contra a anorexia intitulada "Marcha das Famintas". Muito legal a iniciativa. No mesmo dia, ouvi pelo rádio sua entrevista na rádio Joven Pan, contando um pouco da sua motivação, citou estudos e falou sobre transtornos alimentares. Citou também uma das meninas internadas no HC com anorexia, com apenas 8 anos. Isso é muito, muito triste!
Transtornos alimentares são assuntos tristes, às vezes obscuros. A falta de informações podem piorar ou "deixar de previnir" alguns casos. Pensando nisso, convidei uma colega nutricionista para escrever um texto aqui pra gente! Fique à vontade Ana Carolina!!
Prevenção conjunta de obesidade e transtornos alimentares na infância e na adolescência: é possível?
            Nos dias de hoje, a obesidade tem ocupado lugar de destaque na mídia e na ciência. A questão é ainda mais preocupante quando se trata de crianças e adolescentes, por isso existem inúmeras estratégias de prevenção de obesidade nessa faixa etária. Só que existem outros problemas relacionados ao peso corporal que muitas vezes acabam sendo esquecidos ou subestimados: os transtornos alimentares.
            Transtornos alimentares são doenças psiquiátricas caracterizadas por profundas alterações no comportamento alimentar e nos comportamentos que visam controle de peso e forma corporal, levando o organismo a um funcionamento debilitado e inúmeras complicações. Os transtornos alimentares incluem a anorexia nervosa, a bulimia nervosa e os transtornos alimentares não especificados.  Sua etiologia é multifatorial, ou seja, são originados através da interação de vários fatores, não se tem uma única causa. Alguns destes fatores incluem a predisposição genética e a história familiar de transtornos psiquiátricos, a valorização do ideal magro de beleza e a prática de dietas.  Nas crianças e adolescentes, complicações comuns destas doenças incluem prejuízo no crescimento, retardo na maturação sexual e ausência de menstruação nas meninas, prejuízos dentários, constipação ou diarréia, cansaço e alterações cardiovasculares.
            É importante que os pais e familiares estejam atentos a alguns sinais típicos que podem indicar a presença de transtornos alimentares, pois raramente a criança ou adolescente vai se queixar disto, afinal, acreditam que devem fazer de tudo para serem magros. Estes sinais incluem: prática de dietas e restrição de alguns alimentos que antes eram aceitos; perda de peso sem motivo aparente; queda acentuada de cabelos; ausência de crescimento;  recusa em sair de casa e se alimentar junto com a família; atitudes negativas em relação ao peso atual; beber muito líquido nas refeições e com isso comer pouco; ir frequentemente ao banheiro logo após se alimentar. Caso notem esses comportamentos e atitudes, os pais devem buscar ajuda especializada.
Prevenção conjunta de obesidade e transtornos alimentares: é possível?
Sim! Estudos atuais dizem que a prevenção conjunta de obesidade e transtornos alimentares não só é possível como é desejada. Algumas estratégias de prevenção incluem:
1. Desencorajar a prática de dietas. Ao invés disso, encorajar e favorecer uma alimentação saudável, em que não existem alimentos “permitidos” e “proibidos”, e encorajar também a prática de atividades físicas que as crianças e adolescentes gostem. Como já foi dito, dietas são fatores de risco para transtornos alimentares e podem levar ao ganho de peso a longo prazo, já que aumentam o risco de compulsão alimentar.
2. Promover uma imagem corporal positiva. Precisamos parar de achar que a insatisfação corporal é uma boa motivação para a mudança. Pense num carro: se você gosta dele, você cuida, dirige com cuidado, faz revisões frequentes... Já quando você não gosta do carro, nada disso é feito, certo? O mesmo vale para o nosso corpo. Enquanto eu não respeitá-lo e valorizá-lo, o mínimo que seja, não terei motivação e prazer em cuidar dele (me alimentar de forma saudável, praticar exercícios que me façam sentir bem...). Os pais devem ser o exemplo de como manter uma imagem corporal positiva, e isso significa, por exemplo, parar de fazer comentários depreciativos sobre o próprio corpo e sobre o corpo dos filhos.
3. Encorajar a realização de refeições em família. Quanto mais frequentes e mais agradáveis, melhor. Pesquisas recentes mostram que o hábito de comer em família está relacionado a um melhor consumo alimentar em adolescentes, além de ser um fator protetor para alimentação transtornada e para comportamentos extremos de controle do peso.
Importante ressaltar que um estilo de vida saudável deve incluir comportamentos que conseguimos manter a longo prazo, mudanças radicais e temporárias não são positivas. Além disso, crianças aprendem a partir de exemplos, então os pais devem acima de tudo melhorar a sua própria atitude diante da alimentação e do corpo para poderem efetivamente beneficiar seus filhos.

            Ana Carolina Pereira Costa é nutricionista clínica e atua na equipe de Nutrição do Ambulatório de Bulimia e Transtornos Alimentares do Hospital das Clínicas de São Paulo (AMBULIM – IPq – HCFMUSP). É colaboradora do Grupo Especializado em Nutrição e Transtornos Alimentares (GENTA) e associada da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO). É nutricionista voluntária da ADJ/Diabetes Brasil e autora do blog “O corpo é meu!” (http://ocorpoemeu.blogspot.com/).

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Mais um pouco sobre iogurte e também leite de vaca!

Olá Pessoal

Sobre o leite de vaca: a Sociedade Brasileira de Pediatria não indica o leite de vaca para menores de um ano. Eu assino embaixo. Nesta idade, caso não seja possível a amamentação, o ideal é uma fórmula infantil específica, indicada pela nutricionista ou pelo pediatra.

Mas o iogurte não é feito de leite de vaca? E iogurte pode?
Vamos por partes. Uma das contra indicações do LV (leite de vaca) é porque suas proteínas com grandes moléculas pode promover microferimentos no intestino do seu bebê, promovendo microsangramentos e aí uma anemia (não, as mamães não conseguem perceber o sangramento!). Para atingir tal situação, o consumo estimado é de 500ml de leite. Um lactente facilmente chega a essa marca quando troca o aleitamento ou a fórmula infantil pela mamadeira de LV.
Outra contra-indicação é por conta da quantidade de micronutrientes. O LV não contém quantidades de vitaminas C,D,E, Ferro,Zinco suficientes para suprir as necessidades do seu bebê. E também não tem ácidos graxos essenciais, responsáveis também pela formação das membranas celulares do sistema nervoso (cérebro). E tem mais proteína e sódio que o bebê necessita, sobrecarregando o pobre rim da criança. Isso acontece quando a amamentação é trocada pelo LV.
A indicação da introdução do iogurte nunca é trocar a amamentação ou a fórmula láctea por ele. Ao consumir o iogurte, o bebê não deve passar de 30g, utilizando-o na alimentação complementar.
Mas atenção!O cardápio ideal de criança de 7 meses compõe leite materno, papa de fruta e  papa salgada. Estes são os alimentos essenciais em sua alimentação diária. Esporadicamente, pode-se misturar o iogurte (sempre natural, sem conservantes e sem açúcar, lembra?) com a papa de fruta da tarde.
Na pirâmide alimentar para crianças de 6 a 23 meses, o iogurte está lá. O iogurte na alimentação dos maiores de 6 meses é citado no livro da Sociedade Brasileira de Pediatria “Filhos, da gravidez ao segundo ano”. Mas que fique claro que não existe consenso condenando ou enaltecendo o iogurte na alimentação do lactente. Vai de cada indicação do profissional, por conta de seus estudos e sua prática. As coisas mudam o tempo todo na ciência da nutrição. Quem não se recorda do ovo, antes vilão, agora promovido a mocinho?
Quando houver o consenso, venho correndo contar pra vocês aqui!
P.S. Nunca é demais relembrar: o melhor alimento para o bebê é o leite materno e só ele, até os seis meses de idade, e leite materno e alimentação complementar até 2 anos ou mais!
Beijinhos!

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Especial dia das crianças! Brinquedos e comida!

Olá pessoal!

Já comprou o presente do seu filhinho? Continuando a falar sobre brinquedos que ajudam a comer melhor, ensinando e familiarizando a criança com a alimentação saudável, vou fazer a indicação de mais brinquedos que podemos presentear aquela criança querida, ou, para as nutricionistas e profissionais interessados adquirirem para seu espaço de educação nutricional!
Os brinquedos não necessitam de pilhas, apenas de uma criança com imaginação e tem preços acessíveis, em comparação aos outros do mercado. Todos são em estilo crec crec (vem com uma espécie de velcro reforçado que gruda e desgruda mediante o "corte" da faquinha de brinquedo) e tem representações frutas e/ou vegetais.


Salada de frutas, da Big Star


Big Feirinha, da Big Star


Panelinhas Encantadas, também Big Star
E para comemorar o dia das crianças, tenho uma sugestão para vocês. Lembro-me bem, quando li uma matéria em uma revista qualquer. Era um pai que dizia que fez uma viagem para um resort que era referência na recreação para a criançada - ele tinha 2 filhos pequenos, trabalhava muito e estava afim de descansar. Ao chegar no resort, a recreação não adiantou nada. As crianças, sempre saudosas do pai que trabalhava muito, não queria ficar com estranhos. Queriam ficar e brincar com o pai e a mãe. E este pai brincou com seus filhos durante toda a viagem. E todos amaram as férias.
Criança gosta mesmo é da companhia (ativa) dos pais. Então, sugiro a vocês brincarem e fazerem o cardápio do dia juntos. A relação entre um momento bom (companhia dos pais, diversão na cozinha, dia das crianças) com a alimentação saudável com certeza estimulará a criança a adquirir hábitos saudáveis de alimentação. E para tudo ficar mais divertido, vou postar um vídeo de uma culinarista que sugere pratos montagens de pratos divertidos que agradam toda a família, principalmente aos olhos das crianças:


 
 

Mamães e papais, se já fizeram pratos divertidos para seus filhos, fotografem e mande a foto!
Beijos e um maravilhoso dia das crianças!

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Brinquedo para ajudar a comer melhor!

Bom dia pessoal!

Já ouviram falar do Instituto Alana? Lá eles tem um projeto que eu adoro e acredito muito, que é o Criança e Consumo, que trabalha para despertar a consciência crítica da população a respeito das práticas de consumo e serviços por crianças e adolescentes.
Lá eles debatem e apontam os impactos negativos causados pela indústria do marketing direcionado à criança tais como o consumismo, a erotização precoce, a violência na juventude, o materialismo excessivo, entre outros e no meu caso, principalmente, a incidência da obesidade infantil.
Vou escrever um pouco aqui sobre a obesidade infantil, que é o meu escopo e a minha especialidade em relação a este assunto.
A criança, desde muito cedo, é bombardeada por inúmeros comerciais de TV que mostram ou ensinam o quanto aquele alimento (geralmente pobre nutricionalmente) é gostoso e vai deixar aquela criança feliz.

Ou você, mãe, nunca se deparou com um pedido de algum alimento só porque a TV comentou? E se um personagem que seu filho gosta defender a idéia então...
Esses dias minha filha (filha de nutricionista, expert em alimentação saudável para a idade dela, me pediu as balas Finn... o comercial, na época, era bem arrebatador...)
Enfim.... tive a oportunidade de ver um documentário deste projeto, e fixando na parte da alimentação, eles mostram crianças em um local em que uma mulher mostra alguns vegetais às crianças e elas não os reconhecem! Não fazem idéia em relação ao que é! Mostram beterraba, vagem, e nada! Quando mostram salgadinhos e afins, sem o nome, elas reconhecem todos.

Infelizmente, já vi essa história antes, lá na minha graduação (há mais ou menos 8 anos), quando fomos, eu e um grupo, levar hortaliças para a crinçada ver em uma escolinha. 80% do que levamos, ninguém sabia o que era. O famoso chef de cozinha Jamie Oliver também faz a mesma atividade em uma escola no reino Unido com o mesmo resultado.
Pudera, isso geralmente não faz parte da infância da maioria das crianças!!! Não há comerciais de alface. As crianças geralmente não ficam na cozinha. E seus brinquedos, quando permeiam a alimentação, geralmente é sobre a alimentação não saudável. A Bia tinha um Mc Donalds de brinquedo quando era menor (juro que não fui eu que dei rsrsrs). As massinhas de sorvete. Os crec crec de bolos de aniversário. Máquina de raspadinha.

E qual não foi o meu encanto, quando fui comprar de aniversário um presente para minha priminha, quando vi um brinquedo de fazer sopa. Cebola, vagem, milho, tomate, chuchu...

Brincar de fazer Sopinha, da Big Star, para maiores de 3 anos
Me encantei! Lá tinha um outro parecido, com vários vegetais na mesma caixinha, mas eram vegetais repetidos. Por isso gostei mais da foto acima.

Essa é a berinjela Crec Crec, lindinha, mas só vem um tipo de vegetal
O presente da priminha não foi esse (ela já é quase adolescente, não ia curtir, infelizmente....). Mas levei o brinquedo para colocar nos meus consultórios e fazer uma educação alimentar alí mesmo! Fica a dica, nutricionistas.
Quando for pensar nos brinquedos do seu filho, sobrinho, afilhado...essa também é uma ótima opção! A saúde do país agradece!!!! Já tem a experiência de um brinquedo assim? Conte pra gente!
(P.S. Do brinquedo, só não deixei o caldo de galinha que veio junto.)
Link para instituto Alana - a definição do trabalho do projeto, foi retirada do site:http://www.alana.org.br/CriancaConsumo/Home.aspx

Beijos e até mais!

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Iogurte na alimentação das crianças

Bom dia pessoal!

Vou seguir uma indicação de uma leitora querida, Alethéia, e escrever sobre iogurte na alimentação das nossas crianças.

Eu sou superfã deste alimento! Rico em Cálcio (sempre estimulo consumo de alimentos ricos  neste micronutriente pois nossa população está bem carente....), tem a lactose (açúcar do leite) fermentada e por isso é de fácil digestão, rico em probióticos, as tais bactérias benéficas que equilibram nossa flora intestinal, fortalece o sistema imunológico e facilita o trânsito intestinal, entre outros benefícios. 
O iogurte pode ser incluido na alimentação do bebê após o início da alimentação complementar, isso é, com 6 a 7 meses aproximadamente. Com algumas ressalvas e detalhes.

Detalhe número 1: O iogurte para dar para o bebê, necessariamente tem que ser natural e sem açúcar. Os petit suisses vendidos no mercados contém corantes, aromatizantes e conservantes, substâncias estranhas ao nosso organismo (nós nutricionistas chamamos estas substâncias de xenobióticos). O intestino do bebê é imaturo para receber estas substâncias. Podem causar dores abdominais, uma alteração na microbiota intestinal e futuros (e inúmeros) problemas de saúde.


Detalhe número 2: Iogurte não pode ser servido como sobremesa do almoço, nem do jantar. Vamos à explicação: o almoço e o jantar do seu filhinho precisam ser ricos em Ferro. O iogurte é rico em Cálcio. Cálcio e Ferro são absorvidos pelo nosso organismo pelo mesmo sítio de absorção, ou seja, pela mesma "porta de entrada". Eles competem para serem absorvidos, dependendo da proporção destes micronutrientes. E precisamos que eles sejam mais absorvidos possível, sem competições para atrapalhar sua biodisponibilidade (sua capacidade do organismo absorver o micronutriente). Portanto, o ideal é uma refeição ser rica em Ferro, e a outra, rica em Cálcio.
Deficiência em ferro é uma das causas de anemia, doença muito comum entre nossos pimpolhos.
Ex: Café da manhã, rico em Cálcio, Almoço, rico em ferro, lanche da tarde, rico em Cálcio, jantar, rico em Ferro, ceia, rica em Cálcio.

Agora, como podemos incluir o iogurte na alimentação do bebê? Sugiro no lanche da tarde, adicionado a alguma papa de fruta. Fica uma delícia! Para os maiores de um ano, pode ser iogurte de beber em um copinho específico, ou iogurte com cereal, ou mesmo o iogurte com alguma fruta picada - manga combina muito bem! Ou em uma deliciosa salada de frutas! Ou congele o iogurte e faça um delicioso sorvetinho.
Caso for introduzir o iogurte "não natural", faça depois da criança completar um ano.

E para complementar nosso post, vou atender aos pedidos de uma outra querida leitora, a Raíssa, e vou descrever aqui para vocês uma receita que vai iogurte e aveia (toda receita que vocês utilizarem farinha de trigo, troquem por metade de farinha de aveia, adiciona fibras e vitaminas na receita e fica uma delícia)

Bolo de iogurte com aveia

1 copo de iogurte natural desnatado
1/2 copo de açúcar light
1/2 copo de óleo (girassol)
1 copo de farinha de trigo
1 copo de aveia em flocos finos ou farinha de aveia
4 ovos
1 colher (sopa) de fermento em pó

 Bate tudo no liquidificador, menos o fermento. Tire do liquidificador, acrescente o fermento e mexa à mão. Coloque em uma forma com o furo no meio e leve ao forno pré-aquecido a 200ºC. Fica pronto em cerca de 40 minutos.
Dica para variar: no fundo da forma, coloque bananas maduras cortadas em rodelas com um pouco de canela, cubra com a massa. Virou um delicioso bolo de banana!

Beijos nutritivos e bom apetite!







sábado, 3 de setembro de 2011

O que tem para o jantar? E um pouco sobre Neofobia.

Olá queridos!!!

Hoje resolvi partilhar um pouco da minha vida pessoal! Vou dividir o jantar da minha família com vocês!!!
Cheguei em casa após um dia atribulado, e precisava fazer o jantar para família. Tinha mais ou menos 30 a 40 minutos disponíveis. Olha o cardápio que resolvi fazer de última hora:

  • Filé de frango com requeijão
  • Brócolis ao alho
  • Arroz integral

Como fazer?
Estou usando uma marca de arroz integral facílima de preparar, Camil. Coloquei 3 xícaras de chá de água pra ferver. Enquanto fervia, fui tomar uma rápida chuveirada. Saí do chuveiro, coloquei 1 xícara de arroz cru na água fervendo. Coloquei também um pouquinho de alho pré processado e um pouco de sal. Tampei a panela e abaixei o fogo.

Me troquei. Voltei a cozinha. Agora o truque do brócolis rápido e saboroso. Peguei um maço de brócolis ninja, cortei os floretes (não muito pequenos, para utilizar o máximo do caule), lavei e coloquei em um saco plástico culinário (um saco plástico comum). Reforço que coloquei-os molhados. Fechei o saquinho, furei o saco com o garfo, e coloquei no microondas por 4 a 5 min (o tempo varia de aparelho pra aparelho) - eles ficam cozidos al dente, e verdinhos!!!!

Enquanto isso, temperei os filezinhos de frango com cominho, pimenta do reino, limão e um pouco de sal. Voltei aos brólcolis. Aqueci uma frigideira ante-aderente e coloquei alho pré-picado. Sem óleo. Deu uma douradinha, grudou no fundo da panela, coloquei um pouco de molho de soja (ou molho shoyo, como é mais conhecido), soltou o fundo da panela. Caprichei mais no molho shoyo. Mexi. Coloquei os brócolis pré-cozidos e vou dando uma mexidinha pro alho com o molho envolver os vegetais. Tá pronto.
Concomitante, coloco os filés pra grelhar em uma frigideira de ferro (ganhei de presente de aniversário da minha mãe semana passada), sem óleo. Grelha de um lado, viro, coloco uma porçãozinha de creme de ricota que tinha sobrando na geladeira (com requeijão também fica uma delícia). Está pronto. Pico um pouco de cebolinha em cima, mas não coloco tanto assim no da minha filha (já que ela não é tão fã do tempero, e nesse caso, vou respeitar sua vontade de colocar menos - mas não deixo de colocar). Durante esse tempo, já desliguei o arroz.

Jantar delicioso, saudável e pronto!





Esse é o prato da Bia!

Vamos aos detalhes que vão garantir a aceitação do prato. Perceberam que o prato é colorido e diferenciado? O jogo americano é amarelo, cor que remete ao aumento de apetite - vocês lembram a lanchonete que utiliza essa cor? Atentem também para a quantidade. A porção não é grande, mas é ideal pra idade da minha filha - 11 anos. Se por acaso, ela querer mais, vai pedir. E não vai se assustar com uma quantidade enorme de comida que ela "vai ter que dar conta" senão eu vou brigar. Dessa vez a Bia não me ajudou no preparo, pois ela estava na casa de uma amiga, mas ajudar no preparo é uma das grandes sacadas para a criança aceitar a comida.

Aí você me diz: se meu filho ver o "verde" no prato, não vai comer de jeito nenhum. Vamos lá. Existe um fator ou sintoma, chamado  NEOFOBIA que a maioria das crianças apresentam, especialmente em idade pré-escolar. Neofobia é o medo do alimento novo ou diferente. Esse "sintoma" é inerente ao ser humano, sobrevivemos graças a ele, já que nos primórdios o medo do diferente nos impediu de nos alimentarmos com alimentos venenosos. Esse comportamento é natural e esperado na criança. E se a neofobia é o medo do novo, precisamos trabalhar nossas crianças com o conhecimento do alimento, para que ele deixe de ser novo. Incentivo as mães dos meus pacientes a colocarem o vegetal diariamente no prato dos seus filhos, mesmo que a criança não coma. A familiarização com o alimento vai fazer com que a criança o aceite mais facilmente.

Mais um detalhe do jantar: Perceberam que não tem uma gota de óleo adicionada? Viu como é possível? Tentem fazer em casa e me contem como foi.

Um super beijo no coração!

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Amamentação e diversão - por Maitena

Pessoal!

Olha que bacana um cartoon da Maitena, que achei na rede!

Uma graça né? Só uma ressalva: amamentação com pega correta não dói nem machuca!
Eu GARANTO!!! Peça ajuda pra sua nutricionista, ela te ensina.
Beijos e até mais

Livro que ajudam a comer melhor ll - uma ressalva!

Olá queridos!

Falamos sobre livros que auxiliam a comer melhor no http://nutricionistainfantil.blogspot.com/2011/08/livros-para-ajudar-comer-melhor.html, mas infelizmente, existem obras que vão para o "lado negro" da coisa. Uma colega nutricionista, Ana Carolina Pereira Costa, escreveu um post muito legal sobre o livro infantil "Maggie goes on a diet". Esse livro conta a história de uma garota insegura, com baixa auto-estima, que, ao fazer uma dieta, consegue mudar o peso e encontra a felicidade, deêm uma olhada nos detalhes no link http://ocorpoemeu.blogspot.com/2011/08/livro-maggie-goes-on-diet.html.
Muito legal seu trabalho Ana Carolina! Incentivar uma criança (de 4 a 8 anos, imagine!!!!!) a acreditar que só terá valor se seu peso estiver dentro dos padrões é um absurdo, deveria ser crime!
E tenho dito!
Beijos e até mais!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Livros para ajudar a comer melhor

Neste dia-a-dia corrido de todas as famílias, ensinar a comer direito é uma tarefa que as vezes, é deixada para depois. Precisamos de tempo, informação e ajuda para conseguir tal fato.
Fui dar um passeio com a minha filha por uma livraria, e resolvi, junto com ela, verificar os livros para crianças. Me surpreendi! Hoje, existem livros de todos os tipos para ajudar as mães a lidar com alguns "problemas". Seu filho é adotado? Tem um livro infantil que fala sobre isso. Vai ganhar um irmãozinho ou perdeu um ente querido?´Mais um livro infantil para ajudar a explicar. Sexualidade, saudade, perda, relacionamento, sustentabilidade, existem todos os tipos de livros infantis que abordam todos esses assuntos.
Portanto, a ajuda em relação a ensinar a comer melhor, pode vir também dos livros. Assim, ensinamos duas coisas de uma tacada só: o prazer da leitura e o prazer da boa alimentação.
Vou dividir com vocês alguns livros que eu e a Bia gostamos:

Receitas de Princesa, Disney


Hoje existe um febre sobre princesas e cor de rosa entre as garotas de aproximadamente 3 à 8 anos. Esse livro mostra as personagens favoritas da sua filha incentivando-a a fazer umas receitinhas fáceis e saudáveis. Para as fãs, sucesso na certa.


Comida de Dinossauro, Annie Kubler

É um livro-dedoche, que incentiva a brincadeirta. (olhe o nariz do dino, é um dedoche!).O Heitor, o dinossauro do livro, adora comer - mas come errado. E não se exercita. Mas o Marco vai ajudá-lo a mudar essa história.


Amanda no país das vitaminas, Leonardo Mendes Cardoso

 
Esse é demais! A Amanda passa por aventuras, enquanto conhece um pouco mais sobre vitaminas. Além do incentivo a alimentação saudável, auxilia seu filho que está estudando vitaminas na aula de Biologia!


Julieta no Mundo da Culinária, Ziraldo

Em quadrinhos, com humor, diversão na certa! O prazer de comer está presente nas receitinhas. Vale a pena!

Se seu filho leu algum livro que fale de alimentação saudável, escreva também!
Beijos e uma ótima semana!

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Volta às aulas - O que colocar na lancheira?

Bom dia pessoal!
Hoje é oficialmente o primeiro dia de aula do segundo semestre dos pequenos!
E no consultório, percebo muitas dúvidas em relação ao que colocar na lancheira dos filhotes. Por isso, hoje vou dar algumas sugestões para nortear os pais confusos com esta importante missão!

Primeiramente, dicas. Ouvi a pouco tempo a idéia de uma colega nutricionista, e adorei. Quando a criança é resistente, ou quer dar sua opinião em relação ao que quer levar, o que é muito pertinente, podemos fazer da seguinte forma: coloque diversos lanchinhos saudáveis - vamos dar sugestões de lanches saudáveis a seguir - em uma cesta, ou recipiente bonito. Todos os dias, ou todas as noites para o dia seguinte, peça ao seu filho para escolher o lanche da cesta. Você complementa com o que beber ou com outro alimento, se for adequado e voilà, a lancheira saudável foi montada!

Vamos as sugestões:
Podemos colocar - ou representar com um desenho, se for algo de guardar na geladeira - na cesta:
  • Frutas secas: damascos, uvas passas, maçã, abacaxi ou banana desidratada;
  • Oleaginosas - para crianças maiores, que mastigem bem: castanhas, nozes, amêndoas, amendoim;
  • Biscoitos integrais: de todos os tipos, hoje existem muitas opções - cuidado com o excesso de sódio, analise o rótulo antes de comprar;
  • Pães integrais para fazermos sanduíches naturais;
  • Pães de polvilho, pães de quijo, tapioca
  • Bolos simples, feitos com farinha de aveia (é só trocar em qualquer receita, metade da farinha de trigo por farinha de aveia- fica ótimo!);;
  • Frutas diversas;
  • Cereais tipo Granola, Musli ;
  • Iogurte;
  • Barras de cereais (ver rótulo) e barras de frutas;
  • Torta salgada feita em casa;
  • Milho cozido e debulhado;
  • Vegetais como tomate cereja ou cenourinha
  • Pipoca feita em casa.

Conforme a escolha do seu pequeno, inclua um suco de frutas - leia o post sobre sucos ou um iogurte de beber. É bom sempre considerar a possibilidade de incluir uma fonte de Cálcio, principalmente se seu filho é daqueles que não tomam um bom café da manhã (mas isso não exclui a necessidade do bom café da manhã viu!).


Vamos as possíveis opções de montagens:

- Mix de frutas secas e oleaginosas - em um potinho, coloque damasco, uva passa, nozes, castanhas.
Iogurte de beber

- Bolo simples de banana
Suco de fruta

- Um pacotinho individual de biscoitos integrais
Maçã
Suco de fruta

-Musli 
Iogurte de beber
Morango picado - tudo separadinho, pra criança montar na hora do lanche

-Pão integral com patê de atum
água aromatizada

-Grissinis com creme de ricota com azeitona
água de coco
Uvas

Variar sempre o lanche garante que seu filho consuma todos os nutrientes necessários para um bom desenvolvimento escolar e de crescimento!
Beijos e um ótimo apetite!

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Alimentação complementar - afinal, como fazer uma papinha?

Olá queridos!


Hoje vamos falar sobre a primeira alimentação salgada do bebê, a papinha. Parece um assunto batido, afinal, todas temos alguma receita de papinha, ou mesmo o pediatra indica umas receitas, mas com dicas especiais podemos turbinar ao papinhas com todos os nutrientes essenciais e nutrirmos nossos bebês da melhor forma.

Separamos os ingredientes das papinhas. Toda papinha deve ter, no mínimo, 4 tipos de ingredientes, quando o bebê tem 6 meses, ou 5 ingredientes, quando o bebê já está acostumado, comendo bem o almoço e o jantar, com cerca de 7 meses.
Aí vão os tipos de ingredientes:
Carboidratos, ricos em amidos: são os alimentos que tem a maior densidade calórica e que dão energia para o bebê. Formam o Grupo 1: batata, batata doce, cará, inhame, quinua, aveia, mandioca, abóbora, mandioquinha, milho.
Legumes e verduras, ricos em vitaminas e minerais e fibras, garantem a saúde do bebê, são divididos em dois grupos necessários
Grupo 2: cenoura, beterraba, couve-flor, abobrinha, brócolis, quiabo, chuchu, berinjela, jiló, rabanete, nabo.
Grupo 3: são as folhas: couve, alface, rúcula, repolho, chicória, almeirão, agrião, escarola, espinafre, broto de feijão, mostrada, moyashi, radite.
As carnes formam o próximo grupo, são as fontes de proteína, elas vão formar as estruturas do corpo do bebê.
Grupo 4: carnes de boi magra, frango, peixe. As carnes tem que ser moídas ou desfiadas e fazer parte  da papinha integralmente, e não só o caldo.

Atenção: fígado era muito indicado para sopinhas de bebês. Hoje em dia, eu não indico. O fígado é o orgão ou o local no nosso organismo aonde tudo que é consumido ou absorvido é depurado, portanto, lá passam agrotóxicos, aditivos, hormônios e outras substâncias que nós, nutricionistas, chamamos de xenobióticos. Nos animais não é diferente. Portanto, hoje, o fígado, pode ser um depósito de substâncias não nutritivas e não reconhecidas pelo nosso organismo.
Quando não recomendo o fígado, as mães ficam com receio de não atingir as necessidades de ferro que o organismo de seus bebês necessitam, mas fiquem tranquilas, existem outras fontes ótimas de ferro que dão conta do recado.

Voltando a papinha, refogue temperos naturais como cebola, alho, em um fio de azeite ou um óleo de boa qualidade, cozinhe no mínimo um ingrediente de cada grupo, separademente ou em conjunto.
Tempere com ervas frescas como tomilho, cheiro-verde, coentro, alecrim, sálvia, que dão sabor especial ao prato, além de também possirem propriedades nutricionais.  Nada de caldos ou temperos industrializados.

Depois de cozidos e refogados, amasse os ingredientes com o garfo. Também dá  para oferecer os alimentos separadinhos, para que o bebê experimente cada tipo de alimento.

Quando a criança está acostumada, adicionamos o último grupo, das leguminosas:
Grupo 5: lentilha, feijões, grão de bico, vagem, ervilhas. Também cozido e amassadinhos no prato.
Com estas dicas, as mamães prepararão as papinhas mais gostosas e nutritivas e terão verdadeiros bebês gourmets fofos e com a saúde em dia.
Beijos e bom apetite!


terça-feira, 12 de julho de 2011

Petiscando! Meu bebê comendo sozinho.

Boa tarde!
Você gosta de petiscar? Separar alguns alimentos gostosinhos, e comendo um a um, acompanhado de uma bebidinha e de uma boa conversa? É ótimo não?
Pois tenho aqui uma novidade! Seu bebê também gosta! E o melhor, auxilia no desenvolvimento dele!
A partir dos 6 meses, quando o bebê está comendo sua papinha e está habituada a ela,  para auxiliar no desenvolvimento motor e aumentar o interesse nos diferentes sabores e texturas, podemos estimulá-los a comer sozinhos.

Se prepare, coloque um plástico sob o caldeirão (porque vai fazer uma sujeira danada) e podemos passar para duas estratégias: primeiro, coloque um pouco da papinha do bebê em um potinho separado, e, enquanto vai dando as colheradas na boca dele (de um prato que está com você), coloque o potinho no caldeirão, deixe-o colocar a mão na comida, sentir, colocar na boca, se familiarizar com a sensação. Este trabalho auxilia na aceitação da comida, pois o bebê vai se divertir.

Outra estratégia, e funciona melhor quando ele está maiorzinho, com aproximadamente 9 ou 10 meses, é colocar pequenos petiscos em um prato com separações para que o bebê pegue e consuma, mas os alimentos e suas formas já estão diferentes. Alimentos bom para petiscar são legumes como cenouras cozidas al dente, para que o bebê consiga segurar firmemente, batata cozida, florete de brócolis ou couve-flor cozido, frutas cortadas em meia lua (frutas de fácil manuseio como banana, kiwi, mexirica sem caroço, manga, pera),  uma torrada de pão integral, um palito de queijo pasteurizado. Este lanche em forma de petisco pode ser oferecido como lanche da tarde.


O que é muito, muito importante, não deixe o bebê fazer isso sem supervisão, para evitar engasgos e asfixia. E não se esqueça de tirar umas fotos desta farra toda!
Deixa sujar que faz bem :)

Beijos melados!