Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2012

Alimentação da gestante e a preferência alimentar de seu bebê

Olá pessoal!
Faz tempo que não escrevo especialmente para as gestantes, um público que eu simplesmente adoro atender.
Vim aqui contar pra vocês uma coisa especial. Toda mãe sonha com a criança perfeita, fala a verdade. Que, entre outras coisas, coma bem. Que goste do verdinho, do amarelinho, do vermelhinho no prato.
Sabia que vocês, gestantes, tem o poder de influenciar isso?
Pois é! Sua alimentação na gestação tem mais influência nas preferências alimentares do seu bebê do que até a forma como é feita a alimentação complementar!


Isso mesmo. Inúmeros estudos demonstram isso. Por exemplo, um estudo específico comparou dois grupos de gestantes, uma que consumiu suco de cenoura durante a gestação, e outro que não consumiu, só bebeu água. Os bebês nasceram, e seis meses depois, ofertaram a eles um cereal com cenoura. Os filhos das mães que consumiram o suco aceitaram muito melhor o cereal! Pelo líquido amniótico, o bebê sente sabores. Os cheiros/aromas também são muito importantes para os bebês…

O arroz integral e a criança

Bom dia pessoal!

O arroz e  feijão sempre fizeram parte da alimetação do brasileiro. Infelizmente, estudos indicam que essa dupla aparece no nosso cardápio com cada vez menos frequência. Uma pena. Arroz e feijão é comida pro corpo e pra alma, gostinho de comida caseira, com tempero de vó (ou de mãe), prato que dá sustância e conforto.
Mas aqui, no post de hoje, o assunto principal é uma versão mais saudável do arroz. Na verdade, a versão original do arroz. O arroz integral, que não passou por processo de refinamento, cheio de vitaminas e minerais essenciais para a saúde da criança. Existem muitas dúvidas em relação ao seu consumo. Vou colocar algumas por aqui!



Bebê pode comer arroz integral?
Pode! Coloque na papinha, só se organize para cozinhar com um pouco mais de tempo.

Criança gosta de arroz integral?
Claro que gosta, basta fazer um bom arroz integral, variar a receita com legumes, cebola, temperos, gema de ovo, enfim, o que a imaginação mandar e o paladar da criança pedir.
E não se esqu…

O que faz você feliz?

Li uma reportagem interessantíssima que quis dividir com vocês e divagar um pouco.
A pedido da Sociedade Brasileira de Pediatria foi feita uma pesquisa sobre felicidade das crianças. Foi a primeira investigação sobre o assunto. Como assim? Eu pensava que fazer uma pesquisa assim fosse uma questão meio óbvia - afinal, basta ser mãe (ou pai) para nosso primeiro desejo se transformar em : "quero que meus filhos sejam felizes".
Bom, nada melhor que conhecer um pouco a cabeça dessa criançada. E o resultado, não me surpreendeu muito. O que deixa as crianças felizes é ficar perto dos pais, irmãos e avós. Além disso, fazer refeições em família é motivo de alegria para 87% das crianças. O dia do aniversário também é bastante citado.
Por outro lado, o que deixa 71% das crianças tristes é ficar sem os pais, ou, em menor grau, brincar sozinho. E olha que coisa: a bronca não aparece como motivo de tristeza para a criança! Mesmo se fica momentaneamente triste quando é repreendida, a criança…
Mais uma ajuda para incentivar a comer melhor
          Sempre digo que a alimentação saudável também sai da mesa. Quando temos um filho, somos responsáveis sobre sua educação. E educação alimentar também é educação! Para ajudar, especialmente as crianças que "não comem", encontrei um livro fofíssimo, que estimula através da palavra, da imagem e do aroma!


           Esse é o "Aromas da quitanda", no livro tem uma descrição bem bacana da uma fruta e na página  ao lado, você levanta um papelzinho e essa fruta aparece. E a surpresa aparece quando você "esfrega" o dedo na imagem, pois dá pra sentir o aroma da fruta! Delicioso! Meus favoritos ficaram entre o coco e a maçã verde. Além do "Aromas da quitanda", também tem o "Aromas da cozinha" no mesmo estilo. E lá tem a foto com cheiro de uma cebola, achei muito diferente!
          Os pacientes do meu consultório poderão ver o livro "in loco", pois é claro que o comprei. Fica a dica par…