sexta-feira, 17 de maio de 2013

Food Revolution Day – Dicas para a prática

O Food Revolution Day (hoje, 17/05) é um dia de ação global para que as pessoas se posicionem em relação a uma alimentação saudável e suas habilidades essenciais de cozinha. O Food Revolution Day tem como objetivo aumentar a conscientização sobre a importância de uma boa alimentação e uma melhor educação alimentar para todos, concentrando-se em três ações simples: cozinhar, compartilhar, vivenciar.
 
Participarei hoje, mais tarde de um evento. Temos eventos por todos os continentes!E o blog aqui também participa!
Está tentado a experimentar uma vida mais saudável? Gostaria de compartilhar um momento especial em família, todos os dias? Quer manter uma cultura familiar viva, passando para os seus filhos?
Vamos para a cozinha! Aqui umas dicas práticas de como iniciar essa proposta!
 
- Planejamento é essencial. Escolha uns minutos do seu dia, e junto com a família, tentem instituir um cardápio semanal ou quinzenal. Facilita muita coisa, não é necessário “pensar” no dia, é um norte para as compras;
 
- Invista em receitas “prato quase completos” quando estiver sem tempo. Um frango assado com batata e brócolis, por exemplo. Um escondidinho de peixe com inhame. E aquela saladinha para acompanhar;

 
- Peça ajuda! Um cozinha, outro lava a louça. A criançada coloca e tira a mesa. Troquem os papéis;
 
- Utilize a tecnologia ao seu favor. Como? Fazendo compras de alimentos pela internet. Existem muitas instituições que entregam orgânicos em casa, conforme pedido em uma lista.  Ultimamente, peço a lista do Apanã, preço mais favorável, mas existem vários serviços que o façam;

 
- Mais uma vez, utilize a tecnologia. Congele alimentos, utilize bons produtos congelados. Você tem algumas opções aqui;

 
- E ainda mais uma vez, tecnologia! Se fizer sentido para você, utilize algum eletrodoméstico. Quem sabe um processador, um liquidificador, um freezer maior. Aqui em casa, a lava-louças faz SUPER sentido. Economiza tempo, unhas e água inclusive;
 
- Aproveite o final de semana, e se divirta com as crianças na cozinha. Quem sabe começar por esta receita? Faça boas porções e congele o restante. Faça caldos caseiros no final de semana, são fáceis e agregam sabor e saudabilidade à comida (basta colocar água e os ingredientes na panela e esperar..);
 
- Lembre-se, não demora tanto assim, não dá tanto trabalho assim! Escutamos isso várias vezes ao dia (você não?), na mídia, em artigos na internet. Não se deixe convencer. Como vimos, a tecnologia também está a favor dos cozinheiros, diminuindo o nosso tempo na cozinha. Questione essas verdades que tentar colocar na nossa cabeça. Por exemplo, de dia das mães, ganhei o livro de receita “Jamie Oliver 15 minutos e pronto” . 15 minutos para fazer uma refeição completa e saudável. Leia mais aqui.;
 
 
- Comam todos juntos o que prepararem. Fazer uma refeição em família tem inúmeros benefícios, além de aquecer o coração, propriciar proximidade!

 
Está comigo?
Pessoal, quem tiver dicas, receitas, ideias, vamos junto! Coloquem aqui, vamos espalhar que sim, é possível!
 
Beijos e ótima sexta-feira!

sábado, 11 de maio de 2013

Agradecimento - o post mais pessoal desse blog!


Data especial! Amanhã, como sabem, é o dia das mães. Além disso, meu querido blog faz 2 anos de vida, e o blog é um outro “filho”. Parabéns duplo para mim!
É claro que a internet já está cheia de felicitações, carinho, amor, dedicado as mães. Mas vou tentar fazer diferente. Hoje, eu não vou parabenizar. Vou agradecer. Vamos à uma historinha:
Quando eu era nova, sonhava com um monte de coisas. Eu queria viajar o mundo. Queria fazer intercâmbios. Queria até fazer parte dos médicos sem fronteiras (sério). Queria acolher, queria ajudar, queria tudo. Queria uma vida simples, tranquila.
Não, não sei por que a maternidade ainda não passava pela minha cabeça. Casar, também não passava. Mas queria ser livre e ter gente junto ao mesmo tempo.
Aí a vida vem com os seus planos. Engravidei de supetão, fui mãe de supetão, antes de saber quem eu era. Começou então uma jornada, uma jornada de auto-conhecimento.
Vamos fazer um parênteses e parar de falar um pouco exclusivamente de mim. Vamos falar de nós, cuidadoras. Por que, hoje, não quero falar só as mães, mas quero falar também com aquelas que não são biologicamente mães, mas de uma maneira ou outra, são cuidadoras. Pediatras, professoras, madrastas, a lista é enorme....
Quando nos colocamos no papel de cuidar de zelar pelo outro, isso não é só simplesmente doação. Não quero puxar o assunto pro lado da mãe mártir ou da mãe abnegada que faz tudo pelos outros. Quero falar sobre aquele indivíduo que está cuidando, em como ele se sente.
Estar na responsabilidade em relação ao outro é um exercício de auto conhecimento e de humildade. Cuidar do outro nos faz olhar para dentro de nós também. Nos faz melhor pois nos ensina a ser sensível, a olhar a necessidade e entender. A aumentar a nossa sensibilidade, nos instiga a nos questionar mais. E isso é benéfico para o indivíduo. 
Desde sempre temos nossos sonhos e nossas vontades. Sabe o que eu acredito? Que a maternidade não transforma tanto assim, mas deixa mais explícito o nosso verdadeiro eu. Será que a mãe que diminui o ritmo um dia, quando criança, não sonhou com uma vida mais tranquila, no geral? Será que a mãe que luta pelo seu direito ou o do filho em qualquer situação não já era ou seria uma cidadã mais ativa na sociedade?
Será que, na verdade, eu não seria nutricionista mesmo que não fosse a Bia na minha vida? Provavelmente sim. Lembro também de ler e reler livro de digestão dos alimentos criança....
Mas com certeza, eu não seria a nutricionista que sou hoje, com minhas qualidades e claro, meus defeitos também, oras. 
A vida me presenteou com uma menina que teve problemas com amamentação. Quando eu trabalho nessa questão com as pacientes, eu lembro, eu já passei por isso! Depois, amamentei prolongadamente. Também ouvi alguns pitacos na minha vida. O tempo passou, e de repente, tive uma “garota que não come”. Dá-lhe estudos, e também uma certa sensibilidade com os pacientes: eu já passei por isso! Quando não basta tudo, eu hoje tenho uma adolescente que se tornou vegetariana por conta própria: mais um aprendizado, não nos livros, mas no maior estágio do mundo, no estágio da vida. É estar desse lado, e do outro lado simultaneamente.
É claro que a maternidade não moldou só a minha profissão. Mudou minha personalidade também.
A maternidade me fez querer uma vida mais simples, morar perto do trabalho, não precisar de muitas coisas, mas de pessoas perto... e não era isso que eu queria lá atrás?
E sobre os sonhos... meu sonho era conhecer o mundo. Aí vem meu outro filho, meu blog, e me apresentou pessoas do mundo todo. Queria ajudar as pessoas, no “Médicos sem fronteiras”. E eu tenho aquela centelha de esperança de já estar fazendo isso, ajudando algumas pessoas com a informação e discussão que posto aqui, e com as respostas as dúvidas.
Eu não me transformei com a maternidade. Eu vou encontrando cada vez mais o meu prórpio eu, me conhecendo, e fazendo sim, o que eu sonhava quando era criança, mas de uma maneira diferente, e não por isso menos prazerosa.
Por isso, hoje, vou agradecer! Obrigada Bia, por poder ser sua mãe e assim, ser mais eu, lutar para ser mais parecida comigo. Obrigada por conversar comigo olho no olho, e chorar comigo quando sente vontade, eu me sinto valorizada, digna da sua confiança. Obrigada por me ensinar as coisas dos adolescentes. Obrigada por me ajudar a querer uma vida mais tranquila, para poder almoçar contigo e por você querer almoçar comigo, para me ajudar a enxergar que o que eu queria era morar perto do trabalho. Obrigada por me ajudar a ser uma nutri mais consciente. Obrigada por me fazer querer o melhor pra mim, já que isso vai te afetar de qualquer maneira. Obrigada por chamar a atenção ao meu temperamento quando aparente estou nervosa. Geralmente eu estou mesmo, e ser consciente disso em ajuda a acalmar. Obrigada por me deixar ser sua mãe.
E obrigada aos leitores do blog, por fazer que esse meu “filho” seja possível. Obrigada por comentarem, por perguntarem, obrigada especialmente pelo carinho, pelos elogios, isso às vezes pode mudar um dia. Obrigada por fazerem o blog existir, por que afinal, esse blog é para vocês.
E é claro, obrigada mãe, por você existir. E por tudo, sempre.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Bolinho de banana sem açúcar, sem farinha, com sabor. Até os bebês podem comer!

Sabe quando chega aquela época que estamos doidas para variar o cardápio do bebê, loucas para dar alguma coisinha diferente para eles comerem?
Ou quando a gente quer uma receita para o bebê comer com a mão, estilo Baby Led Weaning?
Ou então tá uma tarde preguiçosa, uma vontade de comer algo doce mas saboroso, que não pese?
Ou quando a gente precisa comer, por algum motivo, uma quantidade de ovos por semana (minhas grávidas sabem do que estou falando), e queremos variar a preparação?
Ou então, tem uma criança diabética em casa, e queremos receitas sem açúcar? Ou ainda, optamos por uma vida com menos açúcar, mas não queremos ficar em uma vida sem sabor?
 
Tenho uma receitinha bacana aqui para todas estas opções! É inacreditável de tão fácil. Todos os créditos para a página no facebook "Criança Paleo" foi de lá que tirei a receita original. Conheça a página clicando aqui.
 
 
Bolinho ou Muffin de banana sem farinha
 
2 bananas nanicas pequenas e maduras
1 ovo caipira
50ml de leite de coco
canela para polvilhar em cima (bater junto também fica bom)
 
Bater todos os ingredientes no processador ou liquidificador, colocar em forminhas previamente untadas para não grudar, polvilhe a canela. Assar em forno médio até ficar dourado, leva cerca de 25/30 minutos, mas depende do forno. Esperar ficar quase na temperatura ambiente para servir (sentimos melhor o sabor doce dessa maneira). Comer e servir!!
 
Receita para bebês que já comem ovo, para APLV, celíacos, para crianças, adultos... para as gestantes, evite a canela!
 
Beijos e bom apetite!