segunda-feira, 29 de julho de 2013

E tá um frio aqui em São Paulo...

Eu amo frio! Adoro a sensação, me sinto melhor, adoro casacos, filme, casa, cobertor...
Mas quem está aqui, na minha cidade, observa (ou sente) que estamos em uma fase crítica! Amiga do sul diz que o está congelando mais ou tanto quanto aqui. Criança sente, né?
 
E fim de semana descobri uma forma ótima de aquecer a casa, principalmente se você, como eu, vive em apartamento.
Não temos calefação aqui né? Pelo menos a maioria de nós. Vamos fabricar uma mini calefação com os nossos fogões! Receitas que passam horas no fogo baixinho aquecem a casa!
 
Aproveitei o frio pra fazer caldo de legumes (base para risoto ou outros pratos). A receita original que comecei a usar é a do Panelinha, mas fui agregando. Caldo de legumes aqui em casa é sinal de aproveitamento de talos. Vou cozinhando, congelando os talos, e em dia de caldo, todos os talos vão pra panela. E a maioria dos caldos aqui, é a base só de vegetais.
 
Também tem uma receita fresquíssima e saudável da querida Thais Ventura do Delícias do Dudu. No caldo dela, ela usa os ingredientes do caldo batido no próprio caldo. Ótima opção para reforçar a alimentação dos pequenos.
 
Aqui no blog já postei minha receita de creme de abóbora no caldo de frango. É só dispensar a panela de pressão e cozinhar calmamente o caldo de frango em uma panela comum. O segredo é esperar ferver em fogo alto, e aí, baixar o fogo.
 
Dá pra fazer picadinho, cozido de carne, boeuf bourguignon (amo!), cozido de frango e aquecer a casa. Mães ou pais ou avós que estão em casa, é só colocar desde a hora do café da manhã a panela pra aquecer com água, ingredientes frescos (ervas, pimentão, legumes, o que a imaginação mandar) e cozinhar lentamente, no fogo baixo. Na hora do almoço tá pronto. Se vocês chegam em casa mais tarde, corre pra cozinha assim que chegar, coloca tudo na panela, e deixa lá, umas três horas, pra aquecer a casa durante o preparo, e pra aquecer a alma durante o jantar!
 
E por aí, alguém divide uma receita que precisa ficar muito tempo no fogo?
 
Beijos e ótimo frio!

sábado, 6 de julho de 2013

Asma, eczema e alimentação?


A alimentação saudável é vista como uma proteção de diversas doenças, disso, todo mundo sabe. Mas, quando pensamos “em que” doenças, pensamos geralmente nas patologias  ligadas à obesidade, como colesterol alterado, diabetes, pressão alta... e muitas vezes, quem não tem esses problemas em casa,  se esquiva, pode acreditar que aquele esse assunto não lhe é tão pertinente, já que seu filho não problema com o peso ou  doenças crônico transmissíveis.

 Essas crianças, geralmente tem uma liberdade na hora de escolher o que quer comer, e pode ser que a educação nutricional não foi “prioridade” no crescimento dela. Às vezes comentam: tão magrinho! Pode comer “besteira”, não tem problema.

Comer besteira pode não ter problema. Mas quando essa exceção vira a regra, o malefício não é só ligado ao peso, ao colesterol, ao diabetes. A alimentação é um elemento tão profundo, que muitas vezes tem haver com outras doenças também, doenças que, de cara, a gente pensa que não tem relação com a comida que está no prato.

Mas tem. Um estudo publicado na revista internacional Thorax, que acompanhou 500 mil crianças de mais de 50 países trouxe uma informação importante. Depois de verificar alguns fatores, o estudo concluiu que a criança que come três porções de fruta em uma semana, tem menor probabilidade de ter asma, eczema, doenças alérgicas ligadas às coceiras nos olhos. E a criança que come fasta food três vezes por semana, tem o risco aumentado de ter essas doenças.

Sobre frutas: infelizmente o brasileiro não consome como deveria, como vimos nesse post que dá dicas de come fazer seu filho comer  frutas. Sobre o fast food, muitas mães me diriam: isso é coisa de fim de semana, não tem em casa três vezes por semana!

Convido vocês então, para fazer uma reflexão! Será que o fast food é só aquele sanduíche daquela rede de lanchonetes bem específica? O que afinal, poderia ser considerado fast food?

E se carne, batata, salada e pão fazem parte de uma alimentação saudável, porque quando eles estão unidos em um sanduíche, necessariamente faz mal?
 
Só porque o nuggets é assado em casa, não significa que ele não é fast food!
Segundo artigos, ofast food” é um segmento no setor de alimentação que se constitui pela produção mecanizada de um determinado número de itens padronizados, os quais são sempre idênticos em peso, aparência e sabor. A Anvisa cita, ainda, que o fast food é  um alimento com alta densidade energética, ricos em gordura e carboidratos e pobres em vitaminas, minerais e fibras. Alguma semelhança com alguns alimentos de “pacote” que consumimos em casa?

Portanto, esse fast food, ou a alimentação altamente processada pode sim, fazer parte da sua vida, sem necessariamente você sair para comer três vezes por semana.

Quando somamos na semana “alimentar” da criança, um jantar de macarrão instantâneo, um almoço de macarrão com salsicha e aquele diz que não deu tempo de fazer alguma coisa, e o nuggets industrializado foi para o forno para fazer o papel do franguinho, tudo isso é fast food. Se o refrigerante é liberado em casa todos os dias, ou na maioria dos dias, isso é alimentação com muito fast food.

Se você tem filho alérgico em casa, anote tudo que seu pequeno comeu em uma semana, e faça uma avaliação crítica. Será que não tem muito fast food escondido por aí?

E como fugir do fast food? Aqui tem algumas dicas, de como preparar a sua alimentação com praticidade. Tem refeições que podem sim, ser feitas em pouco tempo, e com muita saudabilidade. Já dei também a receita de um macarrão bem rápido e nutritivo.

E quem sabe, fazer sim, o sanduíche que as crianças tanto gostam. Em casa, com os ingredientes já conhecidos, e até agregando alimentos bem ricos em vitaminas e minerais. Aqui tem uma receita de hamburguinho saudável para fazer um lanche pra ninguém botar defeito. Isso não é fast food, apesar de ser comida rápida!

Tudo na vida é equilíbrio, não é? Mas, para buscarmos o equilíbrio, a primeira fonte é a informação. Faça uma reflexão, e verifique se na sua casa tem mais fast food que você e sua família poderiam prever... e vamos nos mexer para mudar o quadro, e espantar as crises alérgicas de casa!

Beijos e ótima semana!
 
Referência bibliográfica: