Pular para o conteúdo principal

Alimentação da criança nas festas de fim de ano! E uma receita para fazer em família!

Olá pessoal!
 
Chegando uma fase gostosa, principalmente para quem está com crianças em casa: as festas de fim de ano!
Mas sempre pinta uma dúvida ou outra, em relação a alimentação! Vamos conversar um pouquinho?
 
Primeiro, quem tem os pequeninos de até 1 ano, não dá pra bobear. A alimentação do bebê precisa ser respeitada, inclusive nessa época. Já pensou ter que correr pro hospital com uma criança com reação alérgica bem no meio da festa? Ou dar aquela dor de barriga bem no meio da diversão? Não dá, ninguém aproveita direito. Então, os alimentos não indicados (guloseimas, café, frituras, açúcar, que contém conservantes, aromatizantes) não estão liberados pra essa turminha.Nem um pouquinho.  Mas as frutas típicas, uma papinha feita com a carne do peru, uma papinha de frutas secas, isso está. Claro, dentro da rotina pré-estabelecida e  do combinado com a nutricionista ou com o pediatra. Quanto mais rotina, mais o bebê se sente confortável, mais aproveita a festa.
 
Agora, em relação aos mais velhos, exceto algumas exceções por conta de situações específicas, eles podem comer de tudo. Mas, como a fartura é grande na mesa do final de ano, tem muita mãe por aí com receio em relação as quantidades. E agora, o quanto liberar?
 
Agora mães e pais, é uma ótima oportunidade de incentivar o seu pequeno a se conhecer, a conhecer seu próprio corpo e os sinais que ele dá. Para conhecer os graus de satisfação, saciedade, fome. Geralmente, a criança saudável já vem com esses sinais bem estabelecidos, o que acontece é que uma forçadinha em raspar o prato aqui e ali podem ter mexido com esse processo. Hora de retomar o treinamento.
 
Pergunte: está com fome? Como está se sentindo? Quer fazer seu prato? Auxilie, mas coloque porções pequenas. Quando seu filho terminar, pergunte, está satisfeito? Quer mais um pouco? Como está se sentindo?
E principlamente, dê o exemplo! Se comer "até explodir", esse será o exemplo que a criança terá. Se saborear e aproveitar cada garfada, devagar, aproveitando o momentos, as companhias, esse será o exemplo a ser seguido.
O controle desses sinais de fome/saciedade são fundamentais para a manutenção do peso, da saúde, e da satisfação corporal. Respeitar a fome e a saciedade do seu filho é um passo a ser dado em relação ao tratamento das crianças com dificuldades alimentares (aquelas que não comem) e das crianças obesinhas.
 
Agora, para a festa ser completa, e agregarmos os vegetais às nossas ceias, que tal fazer uma receita elaborada e completa?


 
Fotos originais!!!
 
Macarronese de Natal
Ingredientes
1 cenoura média
100gr de salsão
1 maçã verde
5 unidades de nozes
250gr de peito de frango
250gr de mini macarrão farfale (gravatinha) ou mini penne
3 colheres de sopa de maionese
Açafrão, sal, páprica doce a gosto
Mini agrião para decorar (e degustar)
Rale a cenoura, pique o salsão, a maça e as nozes em pequenos pedaços e reserve. Cozinhe o peito de frango em água com os temperos (açafrão, páprica doce e sal). Desfie e acerte o tempero, reserve. Cozinhe o macarrão al dente em água abundante e sal. Reserve. Misture todos os ingredientes pré-preparados, adicione a maionese aos poucos, incorporando aos outros ingredientes. Utilize o mini agrião para decorar.
Se for fazer a versão vegetariana, dispense o frango e aumente as nozes!
 
A criança pode, conforme a idade, ajudar a picar os ingredientes, temperar o frango, misturar e decorar o prato!
Boas festas para todos em casa e um 2013 cheio de luz, saúde e amor!!

Comentários

  1. Muito criativa essa ideia parabens pela postagem.
    http://pediatravirtual.net/

    ResponderExcluir
  2. Esta receita pode ser feita para bebes de 1 ano?

    ResponderExcluir
  3. Qual maionese pode usar?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comente! A nutri adora conversar!

Pots mais lidos

Iogurte na alimentação das crianças

Bom dia pessoal!
Vou seguir uma indicação de uma leitora querida, Alethéia, e escrever sobre iogurte na alimentação das nossas crianças.
Eu sou superfã deste alimento! Rico em Cálcio (sempre estimulo consumo de alimentos ricos  neste micronutriente pois nossa população está bem carente....), tem a lactose (açúcar do leite) fermentada e por isso é de fácil digestão, rico em probióticos, as tais bactérias benéficas que equilibram nossa flora intestinal, fortalece o sistema imunológico e facilita o trânsito intestinal, entre outros benefícios.  O iogurte pode ser incluido na alimentação do bebê após o início da alimentação complementar, isso é, com 6 a 7 meses aproximadamente. Com algumas ressalvas e detalhes.
Detalhe número 1: O iogurte para dar para o bebê, necessariamente tem que ser natural e sem açúcar. Os petit suisses vendidos no mercados contém corantes, aromatizantes e conservantes, substâncias estranhas ao nosso organismo (nós nutricionistas chamamos estas substâncias de xenobiótic…

Sem açúcar, com afeto ou porque não dar açúcar ao bebê!

Sempre me perguntam, por quê não dar açúcar ao bebê? Ou então: posso dar açúcar orgânico, mascavo, produto adoçante?


O seguinte: a resposta inicial, todo mundo já sabe. Açúcar branco é caloria vazia, logo, não faz bem pra ninguém, dieteticamente falando. Essa caloria vazia pode ser traduzida em excesso de peso lá na frente - uma das doenças de mais difícil tratamento: a obesidade.
Mas tem um motivo mais profundo aí. Que eu vou explicar agora.
A necessidade de comer açúcar (alimentos doces) é do adulto. O bebê está provando tudo. Ele não sabe, por exemplo, que o suco de maracujá tem que ser adoçado. Sério. Ele vai aprender o que você mostrar a ele. Ele não sabe que a banana pode ficar melhor com açúcar. Ou não. A necessidade é nossa, não do bebê.
Só que, por natureza, o bebê já vem gostando de doce de fábrica. Ofereça açúcar, iogurte adoçado, chocolate, pirulito e geralmente você verá um bebê que vai comer e se lambuzar. A lactose do leite materno é levemente adocicada.
Por isso, não é um dos…

Alimentação para maiores de 1 ano!

Eba! Chegou o tão esperado aniversário de 1 ano do bebê. Depois da correria da festa, voltamos ao dia-a-dia do bebê. Com uma nova dúvida. E a alimentação? Aí, passamos no pediatra, e ele indica: agora mãe, ele deve comer a alimentação família. A mãe comemora (ou não). Não precisa mais fazer papinhas... Aí eu entro: alimentação da família? Tenho medo dessa frase... prefiro dizer que agora a família vai comer a alimentação do bebê com a textura adaptada! Sabe porquê? Como é a alimentação dos adultos em casa? Você, mãe zelosa, vinha fazendo a alimentação perfeitinha, com todos os grupos alimentares e tal...como passou do primeiro ano, só arroz, feijão e carne é suficiente? Calma! Nada contra o arroz e o feijão, pelo contrário. Dupla fantástica, garante um prato quase completo. Lembra desse post? Quase completo por que o legume e/ou a verdurinha precisa acompanhar o prato. Como faziam na época da papinha. Portanto, a alimentação continuará com todos os grupos alimentares... fonte de carboidra…