terça-feira, 25 de setembro de 2012

Alimentação para maiores de 1 ano!

Eba! Chegou o tão esperado aniversário de 1 ano do bebê. Depois da correria da festa, voltamos ao dia-a-dia do bebê. Com uma nova dúvida. E a alimentação?
Aí, passamos no pediatra, e ele indica: agora mãe, ele deve comer a alimentação família. A mãe comemora (ou não). Não precisa mais fazer papinhas...
Aí eu entro: alimentação da família? Tenho medo dessa frase... prefiro dizer que agora a família vai comer a alimentação do bebê com a textura adaptada!
Sabe porquê? Como é a alimentação dos adultos em casa? Você, mãe zelosa, vinha fazendo a alimentação perfeitinha, com todos os grupos alimentares e tal...  como passou do primeiro ano, só arroz, feijão e carne é suficiente?
Calma! Nada contra o arroz e o feijão, pelo contrário. Dupla fantástica, garante um prato quase completo. Lembra desse post? Quase completo por que o legume e/ou a verdurinha precisa acompanhar o prato. Como faziam na época da papinha.
Portanto, a alimentação continuará com todos os grupos alimentares... fonte de carboidrato como cereais ou raízes, grãos, carnes, verduras, legumes, tudo guarnecido com deliciosos temperos naturais.A preocpação não é à toa. Pesquisas recentes afirmam que os brasileiros não comem frutas, verduras e legumes em quantidade suficiente.
 
Agora, temos sim, mais liberdade. Uma saladinha crua pode entrar na alimentação do bebê. E o açúcar, pode? Com muita parcimônia, num bolo especial feito pela vovó, por exemplo, vale. Nada de liberar geral, cuidado redobrado com as guloseimas, e principalmente os alimentos industrializados não feitos para esta faixa etária. Falamos de alguns deles aqui.
Lembre-se: mais dia ou menos dia, seu bebê vai comer menos. Assim, pensaremos em qualidade e não quantidade.
Aqui vai uma ideia de planejamento alimentar (quando citar leite, de preferência, o melhor do mundo, o materno, e na impossibilidade, algum indicado pelo pediatra/nutricionista)
 
Café da manhã: Leite  + pão integral com manteiga + banana
Ou mingau de aveia, quinua, e maçã raspadinha e uva passa
Lanche da manhã: uvas, ensinando o pequeno a comer (morde, olha, morde), para prevenir os engasgos ou qualquer fruta. Para dias quentes, uma água de coco vai bem também.
Almoço: Arroz e feijão bem cozidinhos, abóbora e brócolis cozidos, alface cortado miúdo, frango desfiado.
Sobremesa: fruta
Lanche da tarde: fruta amassada com castanha triturada ou sanduíche de queijo cotagge e pão de leite ou iogurte natural com um pouco de geléia (sem açúcar ou adoçante) ou grissinis e palitos de pepinos passados em um patê de ricota, ou biscoitos caseiros de aveia, acompanhado de leite.
Jantar: macarrão integral à bolonhesa com molho de tomate e cenoura ralada. Sobremesa: gelatina incolor com suco de uva integral e pedacinhos de morango.
 Antes de dormir: leitinho
 
Mais uma vez: o aleitamento materno deve seguir, até os dois anos ou mais, conforme decisão do bebê e da mãe. Quem toma mamadeira pod considerar substituir o utensílio por copo, devagarinho, uma mamadeira por vez. Prefira frutas, legumes e verduras da safra,  de preferência, orgânicos.
Tem dúvidas sobre a alimentação do seu filho de um ano? Manda pra mim que conversamos!

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Mais uma do Dudu, nosso menino que não come!










































































 




        Contar histórias mirabolantes pode dar certo para a criança comer... porém, apenas por um tempo! Logo ele vai desconfiar que não vai se transformar em um monstrão! Pelo menos experimentou, não é verdade?
       Para uma criança comer bem e de tudo, precisamos investir em uma ótima educação alimentar! O exemplo é um bom começo... já comeu uma fruta deliciosa e fresquinha com seu filho hoje?
Beijos e uma ótima semana!


segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Prato divertido!



Olá pessoal!

Percebo na internet um grande movimento em relação à montagem de pratos com carinhas ou desenhos divertidos.

Mas afinal, isso é bom ou ruim? Não coagimos a criança? E, se não é indicado esconder os alimentos (já que assim a criança é "enganada"), disfarçar em formatos divertidos é legal?

Montar pratos divertidos é um estímulo, um carinho que pode incentivar seu filho a entrar no mundo da alimentação saudável. E não é coação. Afinal, o brócolis que remete a árvore no prato tem cara e gosto de brócolis. A criança pode falar: arvorezinha! E a mãe pode repetir, brócolis arvorezinha.

Já não dizia Shakespeare,se a rosa tivesse outro nome, ainda assim teria o mesmo perfume!
 
Imagem google
 
O lúdico, a brincadeira, entra no universo da criança, e pode acessá-la. Montar pratos, servir comida de uma forma diferenciada, como em copos, ou com o auxílio dos cortadores, é válido. Como gostamos de ver a comida bonita na mesa, a criança também gosta. Já serviu o mesmo jantar em uma tigela? E em um copinho?

A ciência está aí pra comentar. Uma pesquisa realizada em parceria entre a Universidade de Cornell, nos EUA e a Universidade Metropolitana de Londres, na Inglaterra, afirma que pratos coloridos, variedade, e uma disposição divertida dos alimentos incentivam as crianças a se alimentar melhor.

Mas não precisamos nem devemos ofertar o prato montado todos os dias. A ideia é aproveitar alguns determinados momentos. Já fazemos isso em aniversários, quando o bolo vem decorado com a foto do personagem. Podemos utilizar essa ferramenta para o estímulo da alimentação saudável.

Existem adultos que lembram com carinho que suas mães montavam os pratos divertidos, e isso os manteve em contato com aquele alimento até hoje. Já ouvi sobre rosto de macarrão, lua de kibe cru. A atenção e o carinho de quem ofertava auxiliou o apreço por aquele determinado alimento saudável.

O blog Nutrição Infantil tem uma página no facebook, cheia de ideias de pratos divertidos para inspirar vocês! Separei aqui os que fizeram mais sucesso. Mas vocês estão convidados para conhecer todos os outros, clicando aqui.


 
Chama a criançada pra ajudar, tira foto, manda pra  e boa diversão!