Pular para o conteúdo principal

A distração que embala a refeição!



Isso é um sintoma/ situação da modernidade. A criança, brinca, pula, estimulada, ativa demais, não consegue parar. Ou o contrário, calma, tranquila, mas não tem o interesse pela comida. Com a ideia que “não importa como ou o quê coma, o importante é que coma”, a TV ou alguma tela entrar em ação para fazer a criança “comer melhor”(?).

Talvez a mãe se lembre de como tudo começou. Talvez, essa situação já esteja tão “entranhada” na rotina, que mal dá pra saber. E o maior problema é escapar da armadilha que fizemos pra nós mesmos.

Mas afinal, qual o problema de comer sentado em frente à TV? Qual o problema de distrair a criança para conseguir mais uma colherada?



A nutrição tem muitas linhas. Quem lê esse blog deve saber disso. Depende de quem você lê, as orientações podem divagar. Mas existe um, um único assunto que todas as linhas da nutrição concordam veemente. Se você gosta da alimentação ayurveda, se na verdade se interessa por medicina chinesa, se gosta é da nutrição funcional, se faz mais o estilo “comida de verdade”, se curte mais o estilo James Oliver ou o estilo Bela Gil, qualquer dessas linhas de raciocínio dirá:

“Mantenha sua atenção na refeição que está fazendo”.

Isso é tratamento para compulsão alimentar, isso é incentivo para a mastigação mais lenta, isso é convite para a prosa no momento da refeição. Se nossa atenção não estiver na comida, estamos tentados a comer mais do que precisamos, mais rápido do que devemos e possivelmente, iremos nos isolar, a digestão não será a melhor. Comer em frente a TV é um dos primeiras prerrogativas para a indução da obesidade na infância.  E , nós adultos, lutamos todos os dias para mastigar mais, direito, sabendo da máxima “estômago não tem dente”.

E quando vamos pensar em educar nossos filhos – por que educação alimentar também faz parte das nossas responsabilidades como educadores-, esquecemos da máxima, e pensamos: o importante é comer. Não gente! A maneira que se come é tão importante quanto o que se come.Até mais! Comer com prazer, devagar, saboreando, aproveitando a refeição, é um dos maiores ensinamentos – se não o maior – que podemos deixar para nossos filhos.

Enfrente seus medos! O medo principal é a criança deixar de comer? Deixar de comer o que você quer que ela coma? Pense grande, pense longe... comer embalada por uma tela não garante bons hábitos alimentares. Se tiver dificuldade no processo, peça ajuda. Mas pare, pense, estipule regras e tente sair da linha de conforto em que seu filho come apenas em frente à TV.

Alias, para isso, já sabe né? Adultos precisam desligar a TV também. O jornal Nacional, por mais que não interessa a criança, te distraí para um momento que você deveria estar inteiro!

E para terminar, gostaria que prestasse atenção comigo nesse vídeo. Um pai, provavelmente cansado com recusas alimentares, acha um “macete” para o filho comer. Um vídeo bem animado. Agora olhem com mais atenção: quantas colheres a criança come em menos de um minuto? O quanto ela tenta mastigar? – bebês nessa idade já fazem movimentos de mastigação. O quanto isso está sendo prazeroso para a criança?




Crianças são ensinadas todo o tempo. Não, não dá pra controlar tudo. Mas esse pode ser o ponto mais importante a se controlar quando a gente se refere à uma boa alimentação!

Beijos!!

Comentários

  1. Adorei, sempre falo isso. Tem que pensar no que está comendo e como está comendo. Sério, me deu medo desse vídeo... Uma agonia.

    ResponderExcluir
  2. Karine, e quando a gente usa outro tipo de distração, é a mesma coisa? Minha filha de 14 meses nem sabe oq é televisão, mas na hora de comer, sempre tenho q dar um potinho pra ela brincar na mesa, um vidrinho com temperos... escondo o ovo, q ela ama, pro final e entre um pedaço e outro enfio correndo na boca dela legumes, arroz, feijão. Sinto que esse não é o caminho certo, mas tenho medo de ela não comer o suficiente...
    Vanessa M.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vanessa!
      Você pode sim, trazer o lúdico para a mesa... mas tente deixa-la brincar com utensílios ou elementos que tenham a ver com a cozinha, a comida...
      Confie na sua gatinha! Mostre, aos poucos, o que ela está comendo!
      Abraços e boa sorte

      Excluir
  3. Muito bom. A minha (2 anos) não come em frente a tv mas não para quieta e sempre procura algo pra mexer. É na fruteira, é na garrafa de café...o que estiver por perto. Tento ao máximo que ela preste atenção no que come e falo pra sentir o gosto e mastigar...espero estar fazendo certo ;)

    ResponderExcluir
  4. A minha bebê tem sete meses e fica impaciente na hora de comer a papinha. Eu nunca liguei a TV ou o DVD, mas entrego brinquedos e faço gracinhas. Assim, ela se distrai e come. Isso é errado?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comente! A nutri adora conversar!

Pots mais lidos

Iogurte na alimentação das crianças

Bom dia pessoal!
Vou seguir uma indicação de uma leitora querida, Alethéia, e escrever sobre iogurte na alimentação das nossas crianças.
Eu sou superfã deste alimento! Rico em Cálcio (sempre estimulo consumo de alimentos ricos  neste micronutriente pois nossa população está bem carente....), tem a lactose (açúcar do leite) fermentada e por isso é de fácil digestão, rico em probióticos, as tais bactérias benéficas que equilibram nossa flora intestinal, fortalece o sistema imunológico e facilita o trânsito intestinal, entre outros benefícios.  O iogurte pode ser incluido na alimentação do bebê após o início da alimentação complementar, isso é, com 6 a 7 meses aproximadamente. Com algumas ressalvas e detalhes.
Detalhe número 1: O iogurte para dar para o bebê, necessariamente tem que ser natural e sem açúcar. Os petit suisses vendidos no mercados contém corantes, aromatizantes e conservantes, substâncias estranhas ao nosso organismo (nós nutricionistas chamamos estas substâncias de xenobiótic…

Sem açúcar, com afeto ou porque não dar açúcar ao bebê!

Sempre me perguntam, por quê não dar açúcar ao bebê? Ou então: posso dar açúcar orgânico, mascavo, produto adoçante?


O seguinte: a resposta inicial, todo mundo já sabe. Açúcar branco é caloria vazia, logo, não faz bem pra ninguém, dieteticamente falando. Essa caloria vazia pode ser traduzida em excesso de peso lá na frente - uma das doenças de mais difícil tratamento: a obesidade.
Mas tem um motivo mais profundo aí. Que eu vou explicar agora.
A necessidade de comer açúcar (alimentos doces) é do adulto. O bebê está provando tudo. Ele não sabe, por exemplo, que o suco de maracujá tem que ser adoçado. Sério. Ele vai aprender o que você mostrar a ele. Ele não sabe que a banana pode ficar melhor com açúcar. Ou não. A necessidade é nossa, não do bebê.
Só que, por natureza, o bebê já vem gostando de doce de fábrica. Ofereça açúcar, iogurte adoçado, chocolate, pirulito e geralmente você verá um bebê que vai comer e se lambuzar. A lactose do leite materno é levemente adocicada.
Por isso, não é um dos…

Alimentação para maiores de 1 ano!

Eba! Chegou o tão esperado aniversário de 1 ano do bebê. Depois da correria da festa, voltamos ao dia-a-dia do bebê. Com uma nova dúvida. E a alimentação? Aí, passamos no pediatra, e ele indica: agora mãe, ele deve comer a alimentação família. A mãe comemora (ou não). Não precisa mais fazer papinhas... Aí eu entro: alimentação da família? Tenho medo dessa frase... prefiro dizer que agora a família vai comer a alimentação do bebê com a textura adaptada! Sabe porquê? Como é a alimentação dos adultos em casa? Você, mãe zelosa, vinha fazendo a alimentação perfeitinha, com todos os grupos alimentares e tal...como passou do primeiro ano, só arroz, feijão e carne é suficiente? Calma! Nada contra o arroz e o feijão, pelo contrário. Dupla fantástica, garante um prato quase completo. Lembra desse post? Quase completo por que o legume e/ou a verdurinha precisa acompanhar o prato. Como faziam na época da papinha. Portanto, a alimentação continuará com todos os grupos alimentares... fonte de carboidra…