Pular para o conteúdo principal

Por que eu me preocupo com alimentação complementar – ou por favor, pare com “eu dei e não morreu”



O futuro está chegando cada vez mais rápido. Nunca tivemos tanta informação em tão pouco tempo. Na alimentação então... trinta anos foram o suficiente para mudanças drásticas em relação a várias orientações (principalmente o que se detém a alimentação complementar)
E hoje, mais do que nunca sabemos que a chave mestra para a prevenção de doenças está no nosso hábito e estilo de vida.

Faremos então, um exercício. Observe sua família, e veja se alguma história de doença se repete. Diabetes, hipertensão, doenças crônicas que são sim, parte genéticas. Câncer também. Existe um padrão? As pessoas mais velhas da sua família tomam medicamentos? Existe também um padrão em relação a quando essas doenças apareceram? E na família do seu companheiro(a)? Provavelmente, você descobriu algum padrão de saúde.

A parte “boa” das doenças genéticas é que podemos tentar, ao máximo, prevenir. Ou atrasar sua manifestação. E você já sabe, seu vizinho já sabe, o Globo repórter já sabe – comer bem, ou comer com alguma individualização faz parte dessa prevenção.

Nossas crianças, que nasceram há pouco tempo, terão a expectativa de vida maior que a minha, que a sua. Poderão viver 100 anos. Se adoecerem com 50 anos, metade de suas vidas precisarão lidar com as doenças. Quando falamos em prevenção de doenças, o efeito não vem agora. Vem com os anos. Por isso o papo de “dei e não morri” ou “sempre comi e estou viva” não é exatamente o que cabe nessa reflexão.

Estamos falando de algo mais profundo, de nutrigenômica. Nutrigenômica é a ciência que estuda a influência dos nutrientes na expressão dos genes e como eles regulam os processos biológicos. Explicando melhor, é a relação do que comemos com o que nosso organismo pode expressar, segundo nossa genética (por isso, nosso histórico familiar). Podemos escolher alimentos conforme o que queremos prevenir.  Se meu pai tem diabetes, tenho uma tendência a ter. Como posso me alimentar a fim de prevenir essa doença?


Por isso, a busca da alimentação equilibrada é tão, tão importante para nós, mães. Por isso o cuidado com a alimentação complementar, visando entregar esses nutrientes especiais e principalmente, formando aquele paladar bacana que vai continuar aceitando todos aqueles alimentos coloridos que a gente quer servir diariamente. Por isso, cada alimento tem seu momento, sua hora. Mesmo os mais saudáveis. Até a fruta, alimento saudável, tem sua hora para ser entregue para uma criança. Por que outros alimentos industrializados também não teriam?

Investir em uma alimentação complementar bacana, evoluindo textura sempre, quando a criança está geralmente bem disponível a aceitar é necessário. Para a saúde dos nossos filhos. Para a nossa felicidade enfim. Afinal, algum doce, biscoito, pode ter sua hora, sua frequência. Mas definitivamente, espere seu filho crescer. Não custa nada, e os benefícios são assim... enormes!

Vai ter bebê comendo nabo sim! E se reclamar, vai ter dois!

🌟🌟🌟 Quer saber mais sobre Introdução Alimentar Humanizada? 
Confira o curso online que montei especialmente para ajudar quem tem dúvidas e não pode ter uma consulta presencial. Clique para saber os detalhes e como se inscrever!🌟🌟🌟

Comentários

  1. Adorei o texto... agora tenho uma comprovação para falar com os "parentes desavisados" que adoram encher meu filho de porcaria o motivo do não!!
    Muito obrigada Karina... você me ajuda muito!
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Os parentes com certeza atrapalham muito a educação alimentar dos pequenos! Essa frase se encaixe direitinho!!! Mas o texto é ótimo

    ResponderExcluir
  3. Adorei o texto, estou levando ele para uma reunião na escola do meu filho, com devida autoria claro.

    ResponderExcluir
  4. aqui meu filho tem aplv, na gravidez ja fala que não daria
    porcarias ao meu filho tao cedo, com a aplv dele veio reforçar
    esse lado, ninguem nunca deu nada pra ele com medo de uma
    reaçao, ele reage a contato na pele entao a um ou outro bj que alguém da causa reação onde encostou, isso faz elas acreditarem na alergia, ai acabo sempre explicando que aplv não é intolerância a lactose
    ou outro que alguem da nele da reaçao, ai f
    cientes da gravidade do problema, mas aind

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo texto! Gostei muito da temática do blog... Já estou acompanhando... Até mais!

    ResponderExcluir
  6. Olá bom dia!!Meu nome é tatiana e tenho uma filha q hj está com 7 meses!!Ela não mama mais deixou com quase 7 meses e come super bem papas salgadas e doce e cocomeçou a tomar leite de fórmula já estou no terceiro tipo de leite e ela está tendo muitas gases e colicas tbm ela sofre desde de q nasceu e toma luftal desde então! Tem dias q wla acorda gritando ��Ela faz coco 1 a 2x no dia !Quais os alimentos q devo evitar por conta dos gases?!Desde de já eu agradeço a atenção! bjos

    ResponderExcluir
  7. Achei ótimo parabéns já estou compartilhando na rede social.

    ResponderExcluir
  8. Pronto... já arrumamos um culpado... " os parentes" kkkkk

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comente! A nutri adora conversar!

Pots mais lidos

Intolerância a lactose em bebês? Provavelmente não!

Com certeza você já leu na web a palavra lactose. Dieta sem lactose. Iogurte sem lactose. Mas o que é lactose? Seria bom tirar das crianças também?
Lactose é um dos carboidratos do leite. A grosso modo, um açúcar presente em leites. 
Leite materno, por exemplo, tem muita, muita lactose.
Nosso corpo, para digerir esse açúcar, usa enzimas que estão presentes no nosso organismo. Essas enzimas moram nas vilosidades intestinais. Vou mostrar:



Quando um bebê está tranquilo, vivendo a vida bebelística, a lactose é uma benção pra ele. É sim. Lactose, quando é “quebrada” pela enzima, vira galactose e ajuda constituição de galactopeptídeos integrantes do sistema nervoso central. Ela também ajuda a acumular água livre para reserva de termo-regulação, através da sudorese. Já viu como bebês suam?
A lactose também está associada à acidez das fezes e à formação da microbiota intestinal específica (predominância de lactobacillo e bifidobacteria, probióticos, o must da saúde atualmente), o que pode ser imp…

Iogurte na alimentação das crianças

Bom dia pessoal!
Vou seguir uma indicação de uma leitora querida, Alethéia, e escrever sobre iogurte na alimentação das nossas crianças.
Eu sou superfã deste alimento! Rico em Cálcio (sempre estimulo consumo de alimentos ricos  neste micronutriente pois nossa população está bem carente....), tem a lactose (açúcar do leite) fermentada e por isso é de fácil digestão, rico em probióticos, as tais bactérias benéficas que equilibram nossa flora intestinal, fortalece o sistema imunológico e facilita o trânsito intestinal, entre outros benefícios.  O iogurte pode ser incluido na alimentação do bebê após o início da alimentação complementar, isso é, com 6 a 7 meses aproximadamente. Com algumas ressalvas e detalhes.
Detalhe número 1: O iogurte para dar para o bebê, necessariamente tem que ser natural e sem açúcar. Os petit suisses vendidos no mercados contém corantes, aromatizantes e conservantes, substâncias estranhas ao nosso organismo (nós nutricionistas chamamos estas substâncias de xenobiótic…

Alimentação para maiores de 1 ano!

Eba! Chegou o tão esperado aniversário de 1 ano do bebê. Depois da correria da festa, voltamos ao dia-a-dia do bebê. Com uma nova dúvida. E a alimentação? Aí, passamos no pediatra, e ele indica: agora mãe, ele deve comer a alimentação família. A mãe comemora (ou não). Não precisa mais fazer papinhas... Aí eu entro: alimentação da família? Tenho medo dessa frase... prefiro dizer que agora a família vai comer a alimentação do bebê com a textura adaptada! Sabe porquê? Como é a alimentação dos adultos em casa? Você, mãe zelosa, vinha fazendo a alimentação perfeitinha, com todos os grupos alimentares e tal...como passou do primeiro ano, só arroz, feijão e carne é suficiente? Calma! Nada contra o arroz e o feijão, pelo contrário. Dupla fantástica, garante um prato quase completo. Lembra desse post? Quase completo por que o legume e/ou a verdurinha precisa acompanhar o prato. Como faziam na época da papinha. Portanto, a alimentação continuará com todos os grupos alimentares... fonte de carboidra…