quarta-feira, 11 de novembro de 2015

"Coitadinho! Quando comer, vai se acabar"! Será?


Historicamente o ser humano busca o prazer em sua rotina. E essa liberação de prazer, bioquimicamente falando, está ligado intimamente à um grupo de substâncias liberadas no cérebro: serotonina, endorfina, dopamina.

Algumas substâncias ou situações podem aumentar o nível dessa liberação: estar com quem se ama. Brincar. Fazer o que se gosta. Carinho. Comida boa. Comida não tão boa para o corpo, principalmente as mais estimulantes, como açúcar, gordura e sal. Drogas ilícitas ou lícitas (como remédios para depressão, álcool).

A grande maioria das pessoas consegue usar essas substâncias que liberam um nível maior e mais rápido desses hormônios e usufruir esse prazer, sem necessariamente ser um problema para sua saúde. Muitas pessoas bebem socialmente. Muitas pessoas consomem as “besteiras” de vez em quando, e tudo bem, sem problemas! Talvez você, adulto que lê esse texto, coma coisas apenas pelo bel prazer de comer. E isso é saudável (nunca se entregar ao prazer não é saudável!).

Mas tem a turma que abusa. E o abuso pode trazer consequências. Consequências variadas! Um corpo não sadio e um desequilíbrio de nutrientes consumidos (pense em alguém que bebe com frequência e tem seu estoque de vitamina B diminuído, ou alguém que come tantos doces que não sobra apetite para os vegetais, frutas e legumes) ou consequências graves (alcoolismo, onde grande parte das calorias vem do álcool, e isso é pernicioso, inclusive socialmente ou uma alimentação baseada em açúcar, onde as calorias vem basicamente do açúcar e daí, falta muito nutriente para manter uma vida saudável e isso é pernicioso para a saúde do indivíduo e custoso para a família, que e preocupa).

Nossos filhos provavelmente vão entrar em contato com álcool na vida deles (arghhhh rsrs). E vão entrar em contato com o açúcar. E é sobre o açúcar que vou me ater.
O que eu posso fazer agora, para ajudar o meu filho a utilizar essas duas substâncias que liberam prazer de uma maneira a não atrapalhar a vida dele?

Sobre o álcool, temos muitos dados. Sabemos, com certeza, que adiar o seu primeiro consumo faz muita diferença. O uso de precoce de bebidas alcoólicas pode ter consequências duradouras. Aqueles que começam a beber antes dos 15 anos apresentam predisposição quatro vezes maior de desenvolver dependência dessa substância do que aqueles que fizeram seu primeiro uso de álcool aos 20 anos ou mais de idade.

Parece que temos um tempo de maturidade mais ou menos ideal para que possamos ter responsabilidade sobre o consumo do álcool. Então, evitar o consumo até a vida adulta parece ser o caminho.

Em relação ao açúcar, e quando eu digo açúcar, estou falando do açúcar dos doces e guloseimas, sugerimos adiar a introdução após o primeiro (idealmente segundo) ano de vida. Bem mais cedo, olha só rsrsrsrs.

O estímulo do paladar do açúcar é tão potente, que a tendência de ficarmos apaixonados e os outros sabores não interessar muito quando pequenos é grande. Na realidade, não é só o que comemos, mas principalmente o que deixamos de comer que atrapalha nossa saúde.


Podemos ser perfeitamente saudáveis comendo nossas porções de frutas, vegetais, cereais, etc, e  um docinho de sobremesa eventualmente.

"Por mim tá tranquilo comer esse açúcar aí depois dos dois anos"

Mas se você é mãe ou pai, sabe como é complexo ensinar uma criança a comer bem e de tudo. Precisa de tempo, investimento. Se jogar contra, oferecendo logo cedo um alimento que tem um alto poder de estímulo palatável, vai ficar difícil. É complexo apreciar a doçura de uma maçã quando se chupou 3 pirulitos antes. E não vale me dizer que a criança come super bem um prato de arroz e feijão. Arroz e feijão é bom, mas não é suficiente.

E antes dos dois anos, a vontade e a necessidade de introduzir açúcar na vida da criança é do ADULTO. Como o adulto sabe que esse é um prazer especial, quer proporcionar à criança. Mas a criança, antes do segundo ano de vida, não tem “vontades específicas”. Ela é alimentada, e aceita de bom grado a maior parte dos alimentos que lhe é oferecido, nem que seja pra cuspir depois. Ela quer provar. Mesmo o tampo da mesa, ou o sabor do controle da TV.  Veja novamente o caso do álcool: ninguém tem dó de não servir a cerveja pra criança de 1 ano. E ninguém se espanta se um adulto degustar um copinho de cerveja em uma festa infantil, mas nega a criança. E nenhuma criança ficou “aguada” porque queria tomar um gole dessa cerveja, Mas ao se tratar de refrigerante, aquele campeão de açúcar, as frases vão do : “Tadinho”; “que dó” até “quando ele crescer vai tomar litros de refrigerante enlouquecidamente”

Provavelmente não vai. Claro que a criança vai crescer. E vai ter curiosidade. Pelo açúcar, socialmente aceito por todos. Pelo álcool, socialmente aceito entre os adultos. E olha, a vida não será fácil em relação a oferta. Vivemos num mundo obesogênico completamente disforme entre as informações que recebemos (e que nossos filhos vão receber também). Doces estão por TODAS as partes, na maior parte das vezes acompanhado pelo marketing do personagem favorito da criança. Doces estão relacionados a passeios e tempo com a família. A TV passa propagandas incansavelmente. As crianças em geral estão comendo muito pior do que antigamente, por esse excesso de oferta de alimentos não saudáveis.
Ao mesmo tempo, precisa ter a barriga negativa da menina famosa, o corpo sarado do ator. Tá fácil não.

Auto estima baixa por conta de modelos irreais, necessidade de mais estímulo para o prazer, enorme disponibilidade de alimentos ricos em açúcar e voalá: a realidade cruel que estamos vivendo: comer tá difícil.

Mas a gente tem o que fazer. Adiar esse primeiro contato pode ser o caminho para que esse relacionamento criança x açúcar seja mais equilibrado. E equilíbrio se dá pra todos os lados: se eu como menos açúcar sobra necessidade calórica para que eu me interesse pelos outros alimentos servidos pela minha família!

E você acha que é fácil tomar esse posicionamento, de adiar a introdução de açúcar? Entre em uma festa infantil com um bebê no colo e veja legiões de adultos querendo enfiar goela a baixo um algodão doce, só um brigadeiro, que mal faz um gole de refrigerante?

Não, matar não mata. Mas pode sim, prejudicar uma educação nutricional futuramente. O que custa esperar?

Quando a criança falar: por favor tio, me dê esse brigadeiro, dê!!! Antes disso, pra quê?


P.S: tem crianças que comeram doces na primeira infância que não amam doces na vida adulta. Tem adolescentes que beberam alcool e não bebem quando adultos. Tem adultos que bebem antes de dirigir e não batem o carro. Tem pessoas que fumam a vida toda e não tem câncer de pulmão. Mas estatísticamente, tudo isso aí pode acontece.
Repita esse mantra até se convencer!

9 comentários:

  1. Karine e com relação ao sal? Tem algum artigo, que me norteia com relação ao seu uso? Isto porque penso na alimentação em família, que é bem estimulante para o bebê de um ano, mas afinal um salzinho vai impactar mesmo?

    ResponderExcluir
  2. Curto muito suas ideias de alimentação infantil. Curti ainda mais vc ter dito q arroz e feijão não é suficiente!!!! Muita gente os inclui cotidianamente nas refeições, deixando de priorizar vegetais e proteínas, tão essenciais ao bom desenvolvimento da criança e de seu paladar!! Nada fácil ser mãe nos dias de hj, principalmente qdo pensamos nas intromissões alheias, q em nada acresecentam, pelo contrário, tentam a todo tempo nos convencer de que " só um docinho, só um biscoitinho, só um suquinho" não faz mal.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, amei o texto! Como é difícil conviver como se fôssemos radicais e cheias de frescura! Estou sentindo - me apoiada! É bem isso, vale a pena!

    ResponderExcluir
  4. Olá! Minha bebê tem 4 meses, por diversos motivos não amamento ela mais, ela mama aptamil 1 de 3 em 3 horas, 150ml e estava pesando 6,040kg na última pesagem! Assim que completou 3 e 15 dias a pediatra mandou introduzir suco de frutas... Eu relutei, pois sempre leio que não é mais recomendado, ainda cheguei a dar 3 vezes, dei de maçã, de laranja lima e de laranja lima com um pedacinho de cenoura! Mas entrei em contato com uma nutri infantil pelo face que disse pra não dar e me explicou os motivos, o que vc me diz? Quero muito fazer o certo pois já não tem o leite materno, queria errar o menos possível com ela! :( Obrigada!
    (não estou dando o suco)

    ResponderExcluir
  5. Parabéns Karine, é bem difícil educar filhos assim, eu consegui, meus filhos tem hoje 34 e 32 anos, eu criei eles assim e, mesmo depois dos 2 anos doce em casa só de domingo. Deu super certo e nunca questionaram o porquê. Hoje são adultos super saudáveis e sem problemas com obesidade. Meu netinho de 1 ano e 9 meses não come doces e não sente falta. Deu certo.

    ResponderExcluir
  6. Obrigada! Tudo isso fortaleceu minha ideia de adiar as guloseimas para meu filho que no momento tem apenas 1 ano.

    ResponderExcluir
  7. Texto sensacional! Sou fãaaaa! Que bom seria se todos os profissionais tivessem sua sensibilidade, Amor, Carinho, sensatez! AMo de montão! Obrigada por ser tão especial. Um super beijo cheio de carinho e admiração!

    ResponderExcluir
  8. Nossa que texto interessante! É muito difícil mesmo lidar com as pessoas querendo dar palpite ou até mesmo dando açúcar pra o nosso bebê sem nossa permissão! Estou no caminho certo mas não está sendo fácil!!

    ResponderExcluir

Comente! A nutri adora conversar!