terça-feira, 30 de abril de 2013

Perguntas e respostas sobre a criança que não come

Olá pessoal!


Há pouco tempo, saiu uma matéria no jornal Folha de São Paulo sobre dificuldades alimentares com o minha participação. A matéria ficou bacana, uma mãe de um querido paciente meu foi entrevistada. Quem quiser dar uma olhada, leia aqui.
Queria aproveitar a oportunidade e colocar aqui a matéria completa que a jornalista fez comigo, pois nem tudo sai nos jornais, e acho que as informações são importantes para os pais dos pequenos que não comem.
Lembre-se: existe luz no fim do túnel. Aqui fala uma mãe de uma ex garota que não come!



Sobre crianças que "não comem": quando esse problema começa a surgir? E quais são as principais causas e o tratamento?
Geralmente, as crianças começam a apresentar diferenças no apetite próximas a completarem 2 anos. Sua demanda nutricional diminui e o apetite, consequentemente, diminui. Porém, o distúrbio pode atrapalhar a vida de bebês e de crianças mais velhas também. As causas podem ser muitas, como causas orgânicas (por patologia), dietéticas (por conta da refeição em si, quando a comida não é adequada ou gostosa para a criança) ou comportamentais (por conta da dinâmica familiar e da casa). O tratamento é sanar as questões orgânicas, e muita educação alimentar para a criança e a família. Utilização de suplementos alimentares podem ser úteis durante o processo crítico de educação alimentar, para que a criança não tenha prejuízo em seu crescimento ou desenvolvimento. Mas tal medida precisa ser realizada com orientação de nutricionista ou pediatra.
 
Qual a parcela de responsabilidade dos pais ou cuidadores no surgimento de distúrbios alimentares de crianças pequenas?
As dificuldades alimentares podem aparecer por problemas orgânicos, como uma anemia, uma disfagia, um refluxo, uma virose, ou por questões comportamentais. Ou pode começar com uma questão orgânica, e se transformar em um distúrbio devido ao comportamento dos pais nesse momento. A dificuldade alimentar acontece em muitas casas, a resposta dos pais ou cuidadores a essa questão pode ajudar perdurar ou não o problema. A dificuldade alimentar é um processo de duas mãos, que é a resposta dos pais/cuidadores às necessidades alimentares daquela criança (não só nutricionais, mas alimentares mesmo). Portanto, de certa forma, os pais são responsáveis por auxiliarem os filhos a terem um “relacionamento” mais saudável e prazeroso com a alimentação.

 
Quais são os principais erros que pais e cuidadores cometem?
O principal erro é o mais difícil de combater, que é a ansiedade materna ou da família/cuidadores. A criança sente e fica mais difícil ficar à vontade para comer. Outro erro comum é que os pais querem decidir o quanto os filhos comem. Eles devem decidir como servir, o que servir, mas a quantidade fica com a criança. Dá insegurança achar que o filho come “pouco”. Aí a ansiedade ou o autoritarismo (forçar a comer) podem destruir esse pouco apetite que a criança teria. Outro erro comum e simples de evitar é alimentar a criança sem hora certa, deixando-a à vontade para comer quando quiser. Uma rotina com horários estruturados auxilia no processo, já que trabalhamos com a fome ao nosso favor, o fator decisivo para as crianças com dificuldade alimentar.

 
O que você recomenda para que a hora da refeição seja mais tranquila e para que os filhos sejam menos seletivos?
Primeira coisa é ser o exemplo. Não adianta querar que o filho coma espinafre, se você os pais ou cuidadores não comerem. Comentar positivamente sobre o que tem na mesa, como por exemplo,"que delícia de espinafre”. Comentários positivos ajudam a criança entender que outras pessoas gostam de espinafre, espinafre pode ser bom, deixa os pais satisfeitos, daí a criança pode querer provar o espinafre ou não. Mas o reforço positivo foi feito.
Servir sempre os alimentos que a criança não aceita, mesmo diante da recusa. Crianças são imprevisíveis, e de repente adoram o que nem queriam provar. Estudos comprovam que é necessário oferecer o mesmo alimento 8, 12 vezes para ver se a criança gosta.
Organizar os horários das refeições e não servir absolutamente nada entre elas, apenas água. Assim, a criança chega a na mesa com fome, mais propensa a comer o que for oferecido.
Durante a refeição, nada de distratores, como a tv ligada, tablets, computadores, ou mil e uma estripulias. A refeição tem que ser um momento prazeroso e calmo. A atenção da criança precisa estar na refeição (essa é difícil, mas é muito importante).
Limitar o tempo que a refeição dura. Se não comeu nessa refeição, só na próxima deve ser alimentado. Fazer isso com tranquilidade, uma criança não ficará doente se pular uma ou duas refeições.
Tolerar a bagunça para a idade é importante. Limpar a criança a cada minuto pode deixá-la irritada, e não estimula todos os sentidos da criança. Deixar a criança pequena eventualmente se alimentar com as mãos estimula outros sentidos, como o paladar, o olfato, e dá mais prazer a alimentação.
Incentivar a criança a se alimentar sozinha, dando- lhe autonomia, e portanto confiança no processo de se alimentar.
E principalmente, se manter neutro durante as refeições da criança. Nem parabenizar demais, nem ficar irritado com a criança.
Essas são atitudes responsivas, e a curto e a longo prazo, auxiliam as crianças a passarem por essa fase de dificuldade alimentar. Porém, uma educação alimentar orientada quase sempre é necessária. O nutricionista pode auxiliar colocando, passo a passo, o que a família precisa fazer, de acordo com sua realidade, suas expectativas, sua cultura e sua rotina. Essa orientação dá segurança para os pais seguirem em frente.
 
 
E para terminar esse bate-papo de hoje, aproveito para agradecer a Abbott por disponibilizar encontros para discutirmos tão rico assunto entre a blogosfera materna ;)
 

13 comentários:

  1. To devorando tudo com os olhos! Ontem fomos ao homeopata e ele disse que se ela não quer comer o que está na mesa é pra deixar ficar com fome. A alimentação da minha filha é péssima e quando adoece a coisa fica feia! Tentando parar com remédios partimos pra homeopatia... ela é muito resistente e prefere ficar com fome a comer o que não quer (nem experimenta). Imagina como anda minha cabeça?

    ResponderExcluir
  2. Acredito que é uma luta complicada essa da alimentação saudável para crianças com tanta propaganda em massa de junkie food. Vejo também que os pais se atrapalham um pouco ao delimitar o que é forçar uma criança a comer e a ensinar uma criança a comer. A primeira reação é de achar que a criança tá passando mal, por comer algo que não gosta.

    ResponderExcluir
  3. No caso do meu filho e mais complicado, ele nao come nada alem de arroz com caldo de feijao, nao essas besteiras q todas as criancas gostam so come chocolate e nao pode ter recheio. Quando vamos em festa de aniversario nao come nada alem do brigadeiro e isso as vezes so qndo esta com vontade, ja tentei dar lanches de fast food(no desespero) que coma algo mas nem isso ele quer. Eu ate tento forcar mas ele fica fazendo ansia, as vezes chega a vomitar. Eu me sinto uma pessima mae.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Não se sinta uma péssima mãe! Procure ajuda profissional!
      Um abraço e muita força!

      Excluir
  4. Sou estudante de nutrição e amei o post! Super legal todas essas dicas.

    ResponderExcluir
  5. Minha filha tem 1 ano e 5 meses, ela ainda mama no seio e estamos no maior dilema na hora da alimentação. Ela nunca foi de se alimentar bem, e com isso nunca foi de pegar muito peso. Antes ela fazia apenas uma alimentação salgada bem feita por dia. Isso me deixava muito preocupada. Agora nem isso. Ela nunca tinha ficado doente, agora de um mês pra cá está com a imunidade baixa. A pediatra não quer liberar nada que abra o apetite. Eu já fiz de tudo, sempre inovando nas refeições mais nada faz com que ela coma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá querida
      O melhor conselho que eu posso te dar é: procure um profissional nutricionista. Ele pode avaliar o que está acontecendo, para poder te auxiliar. Um remédio para abrir o apetite não é mesmo a solução...
      Beijos e boa sorte!

      Excluir
  6. Tatiane Lopes dos Santos19 de junho de 2013 17:31

    Dra. Minha filha tem 1 ano e 2 meses e tenho muitas duvidas referente à alimentação dela. Hoje ela come tudo natural, sem sal, sem açucar, e sem oleo. Ela come muito, de tudo que oferecer.
    as principais alimentações faço ainda uma sopa em pedaços, incluindo, amaranto, quinoa, soja preta e chia, tudo em pouca quantidade e 3 vezes por semana. Ela come bastante fruta, bebe bastante sucos, agua, adora suco de limão sem açucar, as vezes ofereço bolacha integral.
    Minha duvida: posso continuar dando a quantidade que ela quiser ? e não tem problema se eu continuar não incluindo o sal e o oleo?
    aguardo uma resposta. grata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Tatiane!
      A criança da idade da sua pequena geralmente como o quanto precisa, já que tem um centro de saciedade muito bem estabelecido. E se ela come de tudo, pode sim, ficar sem o sal e o óleo.
      Um abraço,

      Excluir
  7. Olá Dra. Gostaria de uma ajuda, meu filho tem 1 ano e 7 meses, ate semana passada tomava leite ninho +1 quando acordava, tarde e noite
    Agora, nao quer mais mamar de jeito nenhum, recusa todas as vezes, estou dando iogurte natural com fruta e ele aceita super bem, mas estou com medo de ele enjoar pois, estou dando no café da manhã e a tarde. Será que vc pode me dar uma sugestão? Desde já agradeço. Roberta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      O iogurte supre a necessidade do leite! pode dar sem receio. depois de um tempo, sirva o leite novamente.
      Abraços

      Excluir
  8. oi dra:meu filho tem 3anos e 6meses ele nao come de jeito nenhum nao sei mas o que fazer tento dar fruta pra ele mas ele nao aceita,arroz e feijao pra ele nao come de maneira nenhuma,ja levei ele na pediatra por esse motivo varias vezes mas nao adianta ele so quer mamadeira,bolacha,danone pao e a unica coísa que ele come eu dou um estimulante de apetite pra ele pra ve se abre o apetite mas nao adianta ja to desesperada nao sei mais o que fazer por favor me de alguma dica do que posso fazer.desde ja agradeço obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá querida!
      Procure tratamento. Uma nutricionista pode te ajudar.
      Abraços!!

      Excluir

Comente! A nutri adora conversar!