Pular para o conteúdo principal

Relato: amamentar gêmeos exclusivamente até os 6 meses! Sim, é possível!

A amamentação é um assunto que me encanta, me emociona. Dada a minha história, vocês devem imaginar. Sou fã e defensora entusiasta da amamentação!
Creio que os exemplos, as histórias de quem conseguiu, sempre nos incitam a querer mais, a também conseguir. Aí, tive o prazer de conhecer uma pessoa querida, que é mãe de três, e que me contou a história dela. Não dava pra não dividir!
Ela é a Thais Scavassa, autora do blog Dudu eu e + 2 e uma das sócias da loja Leão Leãozinho, com artigos para bebês. Ela é tão bacana que disponibilizou o contato para conversar direto com ela: thais.scavassa@bol.com.br. Vale e-mails de elogios também!!

Obrigada Thais! E parabéns pela sua empreitada! A saúde dos bebês agradecem!!
 
Quando estava gravida do primeiro filho, eu me informei um pouco sobre amamentação, mas confesso que não foi muito, sei la na minha cabeça isso era natural e iria acontecer de qualquer forma.
Comprei conchas, comprei protetor de silicone, comprei uma bomba de tirar leite, sutiãs próprios, aqueles protetores descartáveis, uma pomada e só.
Dudu nasceu e amamentar foi fácil, ele tinha uma boa pega, eu tinha os aparatos que considerava necessário, e foi assim simples e fácil por 1 ano e 2 meses.
Segundo filho planejado e tudo lá guardadinho pra ser usado novamente na amamentação, mesmo sabendo que algumas coisas eu não precisaria, eu guardei tudo, afinal sempre ouvimos por ai que cada filho é um filho. E ai no primeiro ultra, vem a noticia de que são gêmeos, depois disso, minha única preocupação era o parto, eu não queria uma cesária, passei 39 semanas pensando nisso, quando eles nasceram, estava tudo ótimo, porem a menina tinha 2,400, já o menino tinha 2,800 mas fez uma hipoglicemia, como eu ficaria só 2 dias no hospital, eles resolveram levar os 2 pra semi intensiva e monitorar melhor. Foi ai que começou meu drama da amamentação. Logo no berçário o complemento era obrigatório por que eles eram gêmeos, quando foram pra semi, eles tinham horários de mamada, e se a mãe não fosse amamentar, eles davam leite artificial. E foi assim, de 3 em 3 horas eu estava lá, nos intervalos eu ia ao banco de leite e tirava leite para as mamadas da madrugada. Mas isso não aprecia ser suficiente para os médicos da semi, eles queriam ganhos de peso absurdos e ficavam controlando o tempo da mamada.
 
Algumas vezes eu chegava no horário da mamada e a enfermeira dizia que um deles já tinha tomado o leite artificial porque tinha chorado de fome, outras vezes eu pegava o menino pra mamar e ele entrava em desespero, não pegava o peito direito, depois de tentar muito, vinha a enfermeira com um copinho e dava o leite, ele que não era bobo nem nada adorava, vinha em grande quantidade e ele não tinha que fazer esforço algum pra tomar.
 
Percebi que era um ciclo vicioso, os médicos mandavam as enfermeiras darem o leite, muitas vezes eu chegava e eles estavam dormindo com a barriga bem cheia. Foi então que percebi que se eu não liberasse o leite, eles não sairiam de lá, liberei o leite, mandei comprar uma mamadeira de bico 0, e logo no outro dia eles tiveram alta. Foram 5 dias de muito complemento e quase nada de amamentação.
 
Sai de lá com 2 bebês viciados em copinho e leite em abundancia, 2 receitas de NAN e o retorno em um grupo de amamentação do próprio hospital para acompanhamento.
Fui pra casa com uma bebês de 2,200 e um bebe de 2,600, a menina só dormia e pouco mamava, já o menino queria muito mamar, mas por causa do copinho ele não tinha paciência de sugar.
 
Tive medo claro, na minha casa não tinha mamadeira e muito menos leite artificial, foram 2 dias acordando a menina pra mamar e fazendo malabarismo pro menino ficar calmo e sugar.
 
Eu só pensava que chegaria na pediatra e ouviria a mesma ladainha de sempre, que não poderia amamentar por que eram gêmeos. Isso não entrava na minha cabeça, se eu posso ter 2 filhos ao mesmo tempo, eu posso amamentar também.
 
Fui na pediatra, e o ganho de peso deles foi muito acima do esperado, eles estavam ótimos e era pra continuar assim, amamentando.
E assim foi até 6 meses exclusivo e depois até 11meses quando eles mesmos decidiram parar.
 
Na pratica eu amamentava quando eles queriam, sem marcar no relógio, sem saber quanto tempo eles mamavam, nunca reparei também em quem mamou qual peito, eu sempre oferecia o mais cheio pra quem queria mamar. Tinha madrugadas que eu acordava umas 20 vezes, e tinha madrugadas que não acordavam, e foi assim que ganhei umas 3 mastites nesse meio tempo.
Foto: google
 
 
Se foi difícil, eu digo que nem tanto, eu me acostumei e me adaptei a rotina, nunca pensei que não teria leite ou não daria conta, e talvez foi isso que me ajudou.
E sobre o grupo de amamentação que o hospital me mandou ir?? Ahhh eu fugi claro!!!
 
Hoje eu sei que amamentar é uma coisa muito individual, cada bebê é de um jeito e cada mãe é de um jeito, mas ter exemplos positivos, nos fazem acreditar que é possível sim.
 
Sim é possível! Acredite no seu poder de mamífera, se informe, muna-se de informações. Você consegue!

Comentários

  1. Uma mãe que possui dois bebês possui o dobro de trabalho em tudo e não somente com a alimentação dos bebês, e por isso precisa preocupar-se com sua própria saúde três ou quatro vezes mais!

    ResponderExcluir
  2. Oi Karine, minha história é muito parecida com a da Thais. E me orgulho demais dela. Meus bebes estão hoje com 6 meses e 10 dias. A diferença é que não admiti nem na maternidade que dessem a eles complemento. Eu os acordava a cada 1h e insistia para que aprendessem a mamar. Quando vinham tirar o destro eu já entrava em pânico. Com muita paciência e amor ensinei meus bebes a mamarem e venci a luta na maternidade e fora dela. Eles passaram os primeiros 6 meses só no peito. Estão lindos e saudáveis. Desde o primeiro mês sempre com peso e altura além do esperado para gêmeos. Estou na fase da experimentação: dando papa de fruta, o Mateus adora e o Gabriel cospe tudo. rsrsr Vou iniciar com a salgada e aproveitar as preciosas dicas deste blog maravilhoso!! bjos Nubia

    ResponderExcluir
  3. Oi gente,obrigada pelos relatos eles nos ajudam muito a lidar com a amamentação, eu resolvi dar exclusivamente o peito para meus bebês,eles acabaram de completar um mês e estou consguindo me virar sozinha,não tenho ninguém pra me ajudar e às vezes acho até melhor,odeio gente dando palpites de como cuidar dos meus filhos,mesmo sem ter ninguém me ajudando já ouvi palpites de que o leite não vai sustenta-los,que eu tenho que devo dar mamadeira etc. Sou mãe da Sophia de 6 anos que amamentei exclusivamente até os 6 meses e com ela eu já ouvia que deveria dar mamadeira,com os gêmeos eu ouço mais,o Rodrigo nasceu com 2,210kg e a Gabriela com 2,690 com 18 dias de nascidos passei no pediatra e ele já estava com 3,100kg e ela com 3,200,tenho nova consulta depois de amanhã e acho que eles já estão bem gordinhos viu,então acho que estou conseguindo

    ResponderExcluir
  4. Oi gente,obrigada pelos relatos eles nos ajudam muito a lidar com a amamentação, eu resolvi dar exclusivamente o peito para meus bebês,eles acabaram de completar um mês e estou consguindo me virar sozinha,não tenho ninguém pra me ajudar e às vezes acho até melhor,odeio gente dando palpites de como cuidar dos meus filhos,mesmo sem ter ninguém me ajudando já ouvi palpites de que o leite não vai sustenta-los,que eu tenho que devo dar mamadeira etc. Sou mãe da Sophia de 6 anos que amamentei exclusivamente até os 6 meses e com ela eu já ouvia que deveria dar mamadeira,com os gêmeos eu ouço mais,o Rodrigo nasceu com 2,210kg e a Gabriela com 2,690 com 18 dias de nascidos passei no pediatra e ele já estava com 3,100kg e ela com 3,200,tenho nova consulta depois de amanhã e acho que eles já estão bem gordinhos viu,então acho que estou conseguindo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comente! A nutri adora conversar!

Pots mais lidos

Iogurte na alimentação das crianças

Bom dia pessoal!
Vou seguir uma indicação de uma leitora querida, Alethéia, e escrever sobre iogurte na alimentação das nossas crianças.
Eu sou superfã deste alimento! Rico em Cálcio (sempre estimulo consumo de alimentos ricos  neste micronutriente pois nossa população está bem carente....), tem a lactose (açúcar do leite) fermentada e por isso é de fácil digestão, rico em probióticos, as tais bactérias benéficas que equilibram nossa flora intestinal, fortalece o sistema imunológico e facilita o trânsito intestinal, entre outros benefícios.  O iogurte pode ser incluido na alimentação do bebê após o início da alimentação complementar, isso é, com 6 a 7 meses aproximadamente. Com algumas ressalvas e detalhes.
Detalhe número 1: O iogurte para dar para o bebê, necessariamente tem que ser natural e sem açúcar. Os petit suisses vendidos no mercados contém corantes, aromatizantes e conservantes, substâncias estranhas ao nosso organismo (nós nutricionistas chamamos estas substâncias de xenobiótic…

Alimentação para maiores de 1 ano!

Eba! Chegou o tão esperado aniversário de 1 ano do bebê. Depois da correria da festa, voltamos ao dia-a-dia do bebê. Com uma nova dúvida. E a alimentação? Aí, passamos no pediatra, e ele indica: agora mãe, ele deve comer a alimentação família. A mãe comemora (ou não). Não precisa mais fazer papinhas... Aí eu entro: alimentação da família? Tenho medo dessa frase... prefiro dizer que agora a família vai comer a alimentação do bebê com a textura adaptada! Sabe porquê? Como é a alimentação dos adultos em casa? Você, mãe zelosa, vinha fazendo a alimentação perfeitinha, com todos os grupos alimentares e tal...como passou do primeiro ano, só arroz, feijão e carne é suficiente? Calma! Nada contra o arroz e o feijão, pelo contrário. Dupla fantástica, garante um prato quase completo. Lembra desse post? Quase completo por que o legume e/ou a verdurinha precisa acompanhar o prato. Como faziam na época da papinha. Portanto, a alimentação continuará com todos os grupos alimentares... fonte de carboidra…

Sem açúcar, com afeto ou porque não dar açúcar ao bebê!

Sempre me perguntam, por quê não dar açúcar ao bebê? Ou então: posso dar açúcar orgânico, mascavo, produto adoçante?


O seguinte: a resposta inicial, todo mundo já sabe. Açúcar branco é caloria vazia, logo, não faz bem pra ninguém, dieteticamente falando. Essa caloria vazia pode ser traduzida em excesso de peso lá na frente - uma das doenças de mais difícil tratamento: a obesidade.
Mas tem um motivo mais profundo aí. Que eu vou explicar agora.
A necessidade de comer açúcar (alimentos doces) é do adulto. O bebê está provando tudo. Ele não sabe, por exemplo, que o suco de maracujá tem que ser adoçado. Sério. Ele vai aprender o que você mostrar a ele. Ele não sabe que a banana pode ficar melhor com açúcar. Ou não. A necessidade é nossa, não do bebê.
Só que, por natureza, o bebê já vem gostando de doce de fábrica. Ofereça açúcar, iogurte adoçado, chocolate, pirulito e geralmente você verá um bebê que vai comer e se lambuzar. A lactose do leite materno é levemente adocicada.
Por isso, não é um dos…