Pular para o conteúdo principal

Avós na introdução alimentar - uma discussão de geração para geração

Você tem seu bebê e descobre que um mundo novo de informações estão aí, na sua frente. Não tem cartilha, mas tem opções: que tipo de criação eu darei? 
Que tipo de mãe eu serei? E dentro das decisões, está a escolha da nutrição do seu bebê.

Pensar em levar um bebê em nutricionista especialista e que trabalhasse com bebês para prevenção há 10 anos era uma coisa quase surreal. Você não teve isso. Mas a informação está aí, e você escolhe, de maneira consciente, dar de presente ao seu bebê uma boa oportunidade de ter uma alimentação bem prazerosa e saudável, iniciando agora, para que ele possa comer bem sempre.


Mas tem muita gente que não entende exatamente o que você faz com essa decisão. E pessoas importantes para o seu bebê, como os avós do bebê. Aí pode ser que a  batalha, silenciosa ou não, é travada.

Se sua mãe (ou sogra) está querendo te ajudar com seu bebê, se ela faz parte da sua rede de apoio hoje, muito provavelmente ela se preocupa e ama vocês. Já pensou que sua mãe pode ter sentido a mesma coisa que você sentiu quando pegou seu bebê ? O deslumbramento, estranhamento, amor e sobretudo aquela vontade de fazer o melhor para aquela criatura tão especial que lhe foi concedida.

E para mulheres, historicamente, fazer seu melhor é nutrir bem. Alimentar para estar forte e seguro. Além disso, naquela época em geral, uma mãe aprendia a ser mãe com a sua mãe ou com mulheres mais velhas da família. Era normal a sua avó influenciar fortemente nas decisões dela. E talvez ela gostaria de fazer o mesmo pelo seu neto - era assim que as coisas aconteciam.

A geração mudou, e sua filha ou seu filho se tornaram pais e essa mulher se tornou avó. Quis o destino que essa fase fosse a era da informação. Não só a informação é produzida muito mais rápido (hoje temos muito mais produção científica do que em comparação a qualquer fase da vida do ser humano) como chega muito mais fácil (obrigada, internet!). 
O cuidado da criança, que em geral era de um médico da família e dos parentes, passou a ser multitarefa, baseado em toda sorte de informação: tem a doula, a consultora, o pediatra, a nutricionista, a do sono... com especializações e explicações pra tudo.

E a nutricionista, o profissional que orienta coisas diferentes do que um dia a avó fez (quando alguém a garantiu que aquilo era o melhor). O suco de laranja ou batido com beterraba que nutria seu filho, não é mais indicado. O danoninho que valia por um bifinho, agora, só depois de 4 anos. Muitas informações e informações que parecem ser importantes.

Seus pais podem ser resistentes por se sentirem irrelevantes nessa situação. E a resposta a tanta informação pode ser:
- Na sua época não tinha nada disso!
- Eu fazia isso e vocês estão todos aí, saudáveis!
- Assim ele come mais. Você não quer que ele coma bem (mais)?

(quer ler mais sobre "comeu e não morreu?" vem aqui!)

E as respostas que damos, como mães:" li na internet, a nutri ou o pediatra me falaram, você não prefere que ela tenha saúde?" E os avós podem pensar ou falar "eles não sabem de nada. Te criei da melhor forma possível"

Ao explicar toda essa nova “onda” de cuidados e amor, o que eu te aconselharia é: tome as rédeas da sua decisão tomada a tanto tempo, e fale com o coração:

- "é importante pra mim fazer dessa maneira"

Se uma mulher chega ao meu consultório dizendo que é importante pra ela dar algo para seu filho, quem sou eu pra discutir - mesmo eu sendo a nutricionista? A primeira coisa que eu ia fazer era tentar entender o mais atentamente. A importância de uma coisa para cada um é quase indiscutível.

É isso que você pode provocar. Atenção, respeito, espaço. Ser ouvida. AGRADEÇA tudo o que sua mãe fez, dentro do melhor que você pode, porque foi O MELHOR que ela pode, e dentro das indicações da época. E diga que você quer ter espaço inclusive pelos seus possíveis erros.

A rede de apoio é fundamental para criar um filho. Cuide bem da sua, com carinho, ouça. Coloque seus limites claramente, mas reforce a importância das pessoas tão especiais na vida do seu filho.

E uma coisa linda vai acontecer. Aos poucos, com os resultados, a avó vai comentar com os conhecidos:
- "Meu neto? Come bem, tem que ver. A mãe dele faz algumas coisas diferentes, sabe como eles são, mas o menino come bem viu? Come legumes. Já tá comendo sozinho!"

A felicidade e a boa nutrição e alimentação da criança é importante pra todo mundo. Pros pais, para os avós e também, e de coração, pelas nutris!


Adicione a relação os diálogos sinceros - a aproveite a companhia e a ajuda de pessoas tão especiais!

Boa conversa!

Se ainda não me segue nas redes sociais, vem também: 👉Instagram e 👉Facebook

Comentários

Pots mais lidos

Intolerância a lactose em bebês? Provavelmente não!

Com certeza você já leu na web a palavra lactose. Dieta sem lactose. Iogurte sem lactose. Mas o que é lactose? Seria bom tirar das crianças também?
Lactose é um dos carboidratos do leite. A grosso modo, um açúcar presente em leites. 
Leite materno, por exemplo, tem muita, muita lactose.
Nosso corpo, para digerir esse açúcar, usa enzimas que estão presentes no nosso organismo. Essas enzimas moram nas vilosidades intestinais. Vou mostrar:



Quando um bebê está tranquilo, vivendo a vida bebelística, a lactose é uma benção pra ele. É sim. Lactose, quando é “quebrada” pela enzima, vira galactose e ajuda constituição de galactopeptídeos integrantes do sistema nervoso central. Ela também ajuda a acumular água livre para reserva de termo-regulação, através da sudorese. Já viu como bebês suam?
A lactose também está associada à acidez das fezes e à formação da microbiota intestinal específica (predominância de lactobacillo e bifidobacteria, probióticos, o must da saúde atualmente), o que pode ser imp…

Iogurte na alimentação das crianças

Bom dia pessoal!
Vou seguir uma indicação de uma leitora querida, Alethéia, e escrever sobre iogurte na alimentação das nossas crianças.
Eu sou superfã deste alimento! Rico em Cálcio (sempre estimulo consumo de alimentos ricos  neste micronutriente pois nossa população está bem carente....), tem a lactose (açúcar do leite) fermentada e por isso é de fácil digestão, rico em probióticos, as tais bactérias benéficas que equilibram nossa flora intestinal, fortalece o sistema imunológico e facilita o trânsito intestinal, entre outros benefícios.  O iogurte pode ser incluido na alimentação do bebê após o início da alimentação complementar, isso é, com 6 a 7 meses aproximadamente. Com algumas ressalvas e detalhes.
Detalhe número 1: O iogurte para dar para o bebê, necessariamente tem que ser natural e sem açúcar. Os petit suisses vendidos no mercados contém corantes, aromatizantes e conservantes, substâncias estranhas ao nosso organismo (nós nutricionistas chamamos estas substâncias de xenobiótic…

Alimentação para maiores de 1 ano!

Eba! Chegou o tão esperado aniversário de 1 ano do bebê. Depois da correria da festa, voltamos ao dia-a-dia do bebê. Com uma nova dúvida. E a alimentação? Aí, passamos no pediatra, e ele indica: agora mãe, ele deve comer a alimentação família. A mãe comemora (ou não). Não precisa mais fazer papinhas... Aí eu entro: alimentação da família? Tenho medo dessa frase... prefiro dizer que agora a família vai comer a alimentação do bebê com a textura adaptada! Sabe porquê? Como é a alimentação dos adultos em casa? Você, mãe zelosa, vinha fazendo a alimentação perfeitinha, com todos os grupos alimentares e tal...como passou do primeiro ano, só arroz, feijão e carne é suficiente? Calma! Nada contra o arroz e o feijão, pelo contrário. Dupla fantástica, garante um prato quase completo. Lembra desse post? Quase completo por que o legume e/ou a verdurinha precisa acompanhar o prato. Como faziam na época da papinha. Portanto, a alimentação continuará com todos os grupos alimentares... fonte de carboidra…