Pular para o conteúdo principal

Meu nenê chora tanto, será fome?

Percebo muitas mães enlouquecidas nos primeiros 3 meses de vida de seu rebento, olheiras enormes e cansada de ouvir choros e não entender o que seu filho precisa. Será cólica? Será fome?
A musicista australiana Priscilla Dustan decifrou o choro de seu bebê em 5 tipos básicos e agora, auxilia as mães a decifrarem os choros de seus bebês também!

Dá uma olhada!

Choro nº1: Neh = “tenho fome”
Ouça com atenção o choro, quando parecer um “Neh” significa fome. O som é baseado no reflexo da sucção, ou seja, para querer comer, o bebê faz um som baseado no movimento da alimentação, combinado com o choro. Hora da amamentação ou do leitinho do bebê! É um bom auxilio para barrar os conselhos dos "palpitadores" (que dizem: esse menino tá magro, ele tem fome!), e evitar dar de comer ao bebê a qualquer momento - quem sabe, previnindo lá na frente, na vida adulta, aquela sensação que a dor ou desconforto (que pode ser emocional) será melhorado atravéz do consumo de comida. Quantas pessoas você não conhece que come por estar ansiosa?

Os outros choros dos bebês podem ser visualizados neste vídeo muito bacana, produzido pela GNT no programa Mãe e Cia  com a ajuda da especialista em linguagem do bebê Rafaela Rosa , os sons dos choros ficam claros, é muito legal!




Espero que gostem!
Beijos sem choro!

Comentários

Pots mais lidos

Iogurte na alimentação das crianças

Bom dia pessoal!
Vou seguir uma indicação de uma leitora querida, Alethéia, e escrever sobre iogurte na alimentação das nossas crianças.
Eu sou superfã deste alimento! Rico em Cálcio (sempre estimulo consumo de alimentos ricos  neste micronutriente pois nossa população está bem carente....), tem a lactose (açúcar do leite) fermentada e por isso é de fácil digestão, rico em probióticos, as tais bactérias benéficas que equilibram nossa flora intestinal, fortalece o sistema imunológico e facilita o trânsito intestinal, entre outros benefícios.  O iogurte pode ser incluido na alimentação do bebê após o início da alimentação complementar, isso é, com 6 a 7 meses aproximadamente. Com algumas ressalvas e detalhes.
Detalhe número 1: O iogurte para dar para o bebê, necessariamente tem que ser natural e sem açúcar. Os petit suisses vendidos no mercados contém corantes, aromatizantes e conservantes, substâncias estranhas ao nosso organismo (nós nutricionistas chamamos estas substâncias de xenobiótic…

Sem açúcar, com afeto ou porque não dar açúcar ao bebê!

Sempre me perguntam, por quê não dar açúcar ao bebê? Ou então: posso dar açúcar orgânico, mascavo, produto adoçante?


O seguinte: a resposta inicial, todo mundo já sabe. Açúcar branco é caloria vazia, logo, não faz bem pra ninguém, dieteticamente falando. Essa caloria vazia pode ser traduzida em excesso de peso lá na frente - uma das doenças de mais difícil tratamento: a obesidade.
Mas tem um motivo mais profundo aí. Que eu vou explicar agora.
A necessidade de comer açúcar (alimentos doces) é do adulto. O bebê está provando tudo. Ele não sabe, por exemplo, que o suco de maracujá tem que ser adoçado. Sério. Ele vai aprender o que você mostrar a ele. Ele não sabe que a banana pode ficar melhor com açúcar. Ou não. A necessidade é nossa, não do bebê.
Só que, por natureza, o bebê já vem gostando de doce de fábrica. Ofereça açúcar, iogurte adoçado, chocolate, pirulito e geralmente você verá um bebê que vai comer e se lambuzar. A lactose do leite materno é levemente adocicada.
Por isso, não é um dos…

Alimentação para maiores de 1 ano!

Eba! Chegou o tão esperado aniversário de 1 ano do bebê. Depois da correria da festa, voltamos ao dia-a-dia do bebê. Com uma nova dúvida. E a alimentação? Aí, passamos no pediatra, e ele indica: agora mãe, ele deve comer a alimentação família. A mãe comemora (ou não). Não precisa mais fazer papinhas... Aí eu entro: alimentação da família? Tenho medo dessa frase... prefiro dizer que agora a família vai comer a alimentação do bebê com a textura adaptada! Sabe porquê? Como é a alimentação dos adultos em casa? Você, mãe zelosa, vinha fazendo a alimentação perfeitinha, com todos os grupos alimentares e tal...como passou do primeiro ano, só arroz, feijão e carne é suficiente? Calma! Nada contra o arroz e o feijão, pelo contrário. Dupla fantástica, garante um prato quase completo. Lembra desse post? Quase completo por que o legume e/ou a verdurinha precisa acompanhar o prato. Como faziam na época da papinha. Portanto, a alimentação continuará com todos os grupos alimentares... fonte de carboidra…