Pular para o conteúdo principal

Criança vegetariana

Olá pessoal!

Quem acompanha o twitter @nutrinfantil já deve ter lido em algum momento sobre a novidade aqui de casa. Minha filha virou vegetariana! Foi mais ou menos um ano de muita conversa, muito questionamento, para auxilia-la a dar este passo.

Não sou vegetariana, nem ninguém da minha família é. A opção não foi imposta para a Bia e sim, ecolha dela. Ela é uma real amante dos animais (de todos), sempre gostou, pega qualquer inseto na mão (eca!) e hoje, tem uma amiga vegetariana. Aos poucos, foi falando sobre o desejo de parar de comer carne.
E sabe qual sempre foi o alimento favorito da Bia? Carne! Amava. Picanha então! Era o momento dela de comer bastante.
Também não defendo o vegetarianismo como uma alimenação, do ponto de vista nutricional, superior a dieta que inclui o consumo de carnes. Mas respeito profundamente as opções.

Porém,  a prioridade máxima é a saúde e o crescimento da criança. Uma alimentação mal planejada pode privar a criança de nutrientes essenciais, e causar danos sérios a saúde. Por isso, creio que quando uma criança torna-se vegetariana, precisa de acompanhamento nutricional  para adequar seu cardápio as suas necessidades.

Bom, isso não é problema aqui em casa, estou organizando pessoalmente o cardápio da Bia. As minhas preocupações iniciais são em relação a oferta de:

Gorduras: Carnes contém quantidade importante de gordura. Preciso ofertar outros alimentos para atender suas necessidades, para a Bia não perder peso, absorver algumas vitaminas, entre outras coisas.
Proteína: As carnes são basicamente proteína. Vou organizar o cardápio para conter todos os tipos de aminoácidos (partes menores da proteína) necessários para seu desenvolvimento.
Ferro: Anemia infantil, por deficiência de consumo de ferro, é muito comum no Brasil. Vou buscar fontes alternativas, e incluir facilitadores de absorção (como a vitamina C, que auxilia absorção do Ferro vegetal).
Vitaminas do Complexo B, especialmente a Vitamina B12: Além da adequação da dieta, vou lançar mão, de tempos em tempos, de suplementação. É o que a Associação Americana de Pediatria recomenda.
Zinco: é um mineral necessário, entre outras funções, para um ótimo desenvolvimento cerebral. Existem também, muitas fontes vegetais do mineral, vou incluir na dieta da Bia.

O bom dessa história é que a Bia está aceitando super bem os alimentos da nova dieta. Castanhas, nozes, quinua, chia, grão de bico, outras leguminosas. Também está comendo melhor as saladas, caprichando na quantidade de azeite, controlando o consumo de vitamina C no almoço (fofo, né?- ela verifica se no almoço dela tem alguma fonte de vitamina C na salada, no suco... se não tiver, ela mesma vai atrás de uma fruta cítrica de sobremesa).

Um novo desafio, uma nova vida. E por aí, conhece alguma criança vegetariana?

Beijos especiais!

P.S. A Bia hoje, é ovolactovegetariana!

Comentários

  1. Acho linda a cumplicidade de vocês, sempre conversando e adequando dieta e tudo mais! Não conheço nenhuma criança vegetariana, mas tenho amigos veganos e quando eles aparecem aqui em casa, sempre tenho alguma comida vegana para eles, é um mimo que faço!Beijo para vocês e parabéns!

    ResponderExcluir
  2. olá parabéns pelo seu blog. aqui em casa não comemos carnes, minha filha tem dois anos e meio, mas não imponho nada. as vezes na escola ou na casa dos avós ela pede, outras vezes ela nega. come super bem leguminosas todas, frutas, verduras, tudo! estou bem satisfeita.
    parabéns por respeitar a opinião da sua filha, como mãe e como profissional!

    ResponderExcluir
  3. Oi Karine fui apresentada ao seu Blog hoje e adorei!
    Vou acompanhar de perto suas receitinhas pois minha filha de 2 anos e 5 meses é "vegetariana" por opção, e olha que todos os dias faço um tipo de carne diferente para ela, mas ela não come de jeito nenhum, pode ser uma fase e que um dia isso mude, mas por outro lado come todos os tipos de legumes e saladas, tudo que é verde ela come super bem e a maioria cru...eu fico super preocupada com isso pois tem a questão do ferro que é tão importante nesta fase e vivo pesquisando o que substituir já que ela também não aceitou ainda o feijão.
    abraços e parabéns

    ResponderExcluir
  4. Sou ovolactovegetariana ha quase 10 anos e meu marido parou de comer carnes depois q nossa filha (hoje com 9 meses) nasceu. Ele parou porque ela tinha um refluxo muito forte e foi diagnosticado que era pelo meu consumo de derivados de leite. Quando eu cortei os derivados, ele cortou tudo tambem. Nenhum de nos sente falta e temos uma nutricionista que nos acompanha e que tem feito o cardapio da nossa pequena, pra garantir que ela tenha uma dieta equilibrada. Ela, minha filha, eh muito boa de garfo, desde a 1a tentativa: comeu um pratao de almeirao, mandioca, quinoa e cenoura. Fruta nao eh muito o forte dela, mas comendo bem o salgado como ela come, estou satisfeita! Vejo que ela vai ser vegetariana por opcao, como nos. =)
    Parabens pelo blog. Muito bom!

    ResponderExcluir
  5. Olá, estou começando a explorar o seu blog agora e já estou encantada! Eu e meu esposo somos vegetarianos e pretendemos educar a alimentação da nossa filha (atualmente com 5 meses) dessa maneira. Você poderia postar ou já postou alguma dieta para bebês/crianças vegetarianos?

    Parabéns pelo blog!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Raíssa!
      Muito obrigada pelo carinho!
      Existem algumas matérias que o assunto é mencionado, mas ainda não escrevi nada diretamente sobre bebês. Apareça por aqui sempre, vou escrevendo!
      Abraço!!!

      Excluir
  6. Olá!
    Aqui em casa somos vegetarianos, quase veganos pois não compro ovos e quase não compro derivados de leite. Gostaria de conversar com mamães que tem seus filhos veganos para partilhar experiências!!! O meu tem 1 ano e meio e estou aprendendo sobre alimentação pra ele!!
    Eu li que é ideal colocar o arroz de molho por 4 a 6 horas para diminuir o fitato e ajudar na absorção do ferro. Procede???
    Abraço!!
    Carol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carol!
      Deixar de molho realmente diminui o fitato, que é um "antinutriente". Mas o arroz não tem ferro!
      Um abraço,

      Excluir
  7. Olá, vc tem alguma sugestão de cardapio para bebes de 6 a 8 meses sem incluir carne? Com quanto tempo pode incluir ovo na alimentacao do bebe?
    Obrigada!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ana!
      Como não há consenso relacionado a dieta vegetariana para os bebês, o cardápio deve ser montado individualmente, em consulta presencial. Quanto ao ovo, pode introduzir, inteiro, a partir dos 6 meses, segundo a SBP.
      Abraços e boa sorte!

      Excluir
  8. Gostaria de dar meu depoimento, tenho 49 anos e sou octolactovegetariana desde os 09 anos de idade, portanto 40 anos com dieta alimentar sem nenhum tipo de carne. Faço exames periódicos e nunca apresentei nenhuma deficiência pelo contrário tenho uma ótima imunidade. Assim como sua filha Bia fui a única da família a fazer essa opção, e por pena dos animais, já que presenciei várias vezes minha mae matando frango, hábito comum na época da minha infância. Tenho dois filhos de 06 e 14 anos que também não gostam de carne. Me coloco a disposição para sanear dúvidas e até possível estudo pois guardo meus exames realizados nos últimos 20 anos.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Karine! Tudo bem? O que vc acha sobre os grãos? Minha filha de 1 ano e 8 meses adora mingau de cevada, mas tenho visto essa questão dos fitatos e agora estou em dúvida se continuo oferecendo ou não o mingau a ela. O que vc acha? Grata, Bia.

    ResponderExcluir
  10. eu sou e meu filho de 10 meses!!
    socorro , me ajude por favor, é muito terrorismo em cima da minha escolha de vida para nós dois...
    existe nutricionista vegetariana?
    vc poderia me fornecer um cardápio?
    Obrigada Tatiana

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comente! A nutri adora conversar!

Pots mais lidos

Iogurte na alimentação das crianças

Bom dia pessoal!
Vou seguir uma indicação de uma leitora querida, Alethéia, e escrever sobre iogurte na alimentação das nossas crianças.
Eu sou superfã deste alimento! Rico em Cálcio (sempre estimulo consumo de alimentos ricos  neste micronutriente pois nossa população está bem carente....), tem a lactose (açúcar do leite) fermentada e por isso é de fácil digestão, rico em probióticos, as tais bactérias benéficas que equilibram nossa flora intestinal, fortalece o sistema imunológico e facilita o trânsito intestinal, entre outros benefícios.  O iogurte pode ser incluido na alimentação do bebê após o início da alimentação complementar, isso é, com 6 a 7 meses aproximadamente. Com algumas ressalvas e detalhes.
Detalhe número 1: O iogurte para dar para o bebê, necessariamente tem que ser natural e sem açúcar. Os petit suisses vendidos no mercados contém corantes, aromatizantes e conservantes, substâncias estranhas ao nosso organismo (nós nutricionistas chamamos estas substâncias de xenobiótic…

Sem açúcar, com afeto ou porque não dar açúcar ao bebê!

Sempre me perguntam, por quê não dar açúcar ao bebê? Ou então: posso dar açúcar orgânico, mascavo, produto adoçante?


O seguinte: a resposta inicial, todo mundo já sabe. Açúcar branco é caloria vazia, logo, não faz bem pra ninguém, dieteticamente falando. Essa caloria vazia pode ser traduzida em excesso de peso lá na frente - uma das doenças de mais difícil tratamento: a obesidade.
Mas tem um motivo mais profundo aí. Que eu vou explicar agora.
A necessidade de comer açúcar (alimentos doces) é do adulto. O bebê está provando tudo. Ele não sabe, por exemplo, que o suco de maracujá tem que ser adoçado. Sério. Ele vai aprender o que você mostrar a ele. Ele não sabe que a banana pode ficar melhor com açúcar. Ou não. A necessidade é nossa, não do bebê.
Só que, por natureza, o bebê já vem gostando de doce de fábrica. Ofereça açúcar, iogurte adoçado, chocolate, pirulito e geralmente você verá um bebê que vai comer e se lambuzar. A lactose do leite materno é levemente adocicada.
Por isso, não é um dos…

Alimentação para maiores de 1 ano!

Eba! Chegou o tão esperado aniversário de 1 ano do bebê. Depois da correria da festa, voltamos ao dia-a-dia do bebê. Com uma nova dúvida. E a alimentação? Aí, passamos no pediatra, e ele indica: agora mãe, ele deve comer a alimentação família. A mãe comemora (ou não). Não precisa mais fazer papinhas... Aí eu entro: alimentação da família? Tenho medo dessa frase... prefiro dizer que agora a família vai comer a alimentação do bebê com a textura adaptada! Sabe porquê? Como é a alimentação dos adultos em casa? Você, mãe zelosa, vinha fazendo a alimentação perfeitinha, com todos os grupos alimentares e tal...como passou do primeiro ano, só arroz, feijão e carne é suficiente? Calma! Nada contra o arroz e o feijão, pelo contrário. Dupla fantástica, garante um prato quase completo. Lembra desse post? Quase completo por que o legume e/ou a verdurinha precisa acompanhar o prato. Como faziam na época da papinha. Portanto, a alimentação continuará com todos os grupos alimentares... fonte de carboidra…