Pular para o conteúdo principal

Analisando o peso da criança - quando a criança pesa menos do que deveria!

Diariamente recebo questões dos pais com o peso de seus filhotes. Parece estar no topo das nossas preocupações. E não estou falando de quem pesa mais- estou falando de quem, eventualmente, pesa menos.

Minha questão principal é: por que existe uma corrida ao percentil 50 ou score 0, aquela linha verde das nossas curvas de crescimento?

Curva de crescimento? É isso mesmo, é aquele gráfico que as nutricionistas e os pediatras colocam os dados do seu filho, em toda consulta, logo após medir e pesar.

A curva utilizada atualmente é a da Organização Mundial da Saúde, veio de um estudo de 2006, que incluiu crianças brasileiras que mamavam no seio, não conviviam com pessoas fumantes,etc. Pensem em crianças saudáveis mesmo! Crianças do Brasil, especificamente de Pelotas, foram incluídas no estudo. Isso é muito importante, já que precisamos ter referências do nosso país para avaliar crianças brasileiras, certo?

É muito importante saber disso, qual curva estamos usando. Quando me formei, há 10 anos, a curva ensinada e utilizada era a curva NCHS, que veio de um estudo lá dos anos 70. Crianças americanas, não amamentadas. Não a utilizamos mais como referência, por questões óbvias. Bom, não deveríamos.

Podemos utilizar a curva peso para idade, altura para idade, peso para altura, IMC (uma conta de peso para a altura)... dependendo do que queremos avaliar. Bom mesmo é utilizar quase todas!

Olha o visual da curva!

Olha essa avaliação: nasceu com baixo peso, baixo IMC. E hoje,entre o percentil -2 e -1 está bem! Olha como a linha verde ainda está em cima.. e tudo bem!


A linha do meio da curva significa que 50% das crianças pesam ou medem aquele tamanho. Atenção: não é uma "meta". Tem as crianças menores, e tem as crianças maiores. E tudo bem. Afinal, nós, adultos, não somos diferentes também? Entre o percentil -2 e + 2 (nesse gráfico, ente as linhas vermelhas de baixo e de cima) podem ter variações completamente aceitáveis! Crianças mais pesadas e mais levinhas. 

Como a gente vai saber se está tudo bem? Conte a história do seu filho para a nutri ou para o pediatra. Qual o peso que nasceu? Isso influencia bastante em como esperamos que a curva vai se manter. Alguma coisa aconteceu no caminho? Ele cresce? Criança bem nutrida cresce!

Também peça para avaliar outros fatores. Padrão de sono, de imunidade, de desenvolvimento, de alimentação. A curva é mais uma ferramenta que a utilizamos, mas ela é para avaliar populações. Quando avaliamos uma criança, um ser individual, é assim que o devemos tratar. Avaliar tudo o entorno que nos cabe- as nutricionistas, principalmente a alimentação atual e pregressa.

Converse sempre com o profissional que acompanha seu filho, peça para ver a curva. Tire suas dúvidas. Será que correr atrás da "linha verde" é o ideal para todas as crianças?

Eu acho que não!

P.S. Essa avaliação, de adequação de peso e altura, deve ser feita em consultório, em consulta presencial. A avaliação é holística, logo, não poderia - nem nenhum outro profissional poderia - fazê-la pela internet. A ideia do post é informar, não diagnosticar ;)



Comentários

  1. A questão é saber se a criança está crescendo como a média das crianças (a maioria), ou se fará parte da turma dos grandes ou dos pequenos (a minoria). Ser o maior da turma não é legal, ser o menor da turma não é legal, mas cada um é único e é assim que deve ser tratado e aceito.

    ResponderExcluir
  2. Adorei esse post, há tempos queria um post assim! É tão simples de entender... A curva da carteira da criança tem a legenda super clara e ainda assim existem profissionais que fazem terrorismo com as mães.
    Minha filha sempre esteve "abaixo da curva (entre o -1 e o 0, se não me engano, estou sem a carteira dela aqui), mas eu sou super pequena e o pai dela também não é grande, como ela seria maior?

    Vou repassar ao infinito, parabéns Karine!

    ResponderExcluir
  3. Karine, mais um post excelente.

    Vale lembrar que o que avaliamos é a velocidade de crescimento e de ganho de peso e não um valor absoluto.

    Isso quer dizer que um dado na curva, isolado, só mostra quantas crianças pesam o mesmo peso, dentro de uma faixa de normalidade.

    Chama mais a atenção criança que perde velocidade de crescimento (peso ou estatura) caindo nas faixas do que uma que, apesar de estar em uma faixa mais baixa, segue sempre a mesma curva, o mesmo "cala de crescimento", a mesma faixa na tabela.

    Parabéns pela postagem. Simples, clara e importantíssima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o que indica a diminuição gradual do crescimento em altura, juntamente c um IMC zigue zagueando?

      Excluir
  4. Oi Ka!!!

    Adorei o post, super esclarecedor e fácil de compreender. O que mais me alegrou foi saber que o Davi está "acima da média" sendo vegetariano =)

    Beijo grande!!

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Karine eu me chamo Alexandra e tenho uma filha com 1 ano e 1 mês e ela nasceu com 3020 kg e seu peso sempre foi baixo. Eu sempre questionei com o pediatra dela, mais ele sempre falou que está normal e eu pedia exames ele me dava o pedido e Sempre deu normal. ..Mais este mês eu levei ela em outro pediatra e ele mandou eu procurar um nutricionista urgente pois seu peço está bem abaixo. Ela está pesando 7600kg . Fui marcar um consulta com nutricionista e si consegui pra janeiro por favor me ajuda como devo fazer pra ela recuperar seu peso. E ela ainda mamãe, estou tentando tirar o peito dela porque estou com anemia e sinto que meu leite não está sendo bom pra ela. E ela prefere mamar do que comer e ela não pega mamadeira aliás pegar pega mais so com água e suco com leite nem pensar.

    ResponderExcluir
  6. Meu filho tem 6anos e 3 meses e esta pesando 40 quilos ! Quality e o peso normal para a idade dele + ou- mim ajuda por favor ?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comente! A nutri adora conversar!

Pots mais lidos

Iogurte na alimentação das crianças

Bom dia pessoal!
Vou seguir uma indicação de uma leitora querida, Alethéia, e escrever sobre iogurte na alimentação das nossas crianças.
Eu sou superfã deste alimento! Rico em Cálcio (sempre estimulo consumo de alimentos ricos  neste micronutriente pois nossa população está bem carente....), tem a lactose (açúcar do leite) fermentada e por isso é de fácil digestão, rico em probióticos, as tais bactérias benéficas que equilibram nossa flora intestinal, fortalece o sistema imunológico e facilita o trânsito intestinal, entre outros benefícios.  O iogurte pode ser incluido na alimentação do bebê após o início da alimentação complementar, isso é, com 6 a 7 meses aproximadamente. Com algumas ressalvas e detalhes.
Detalhe número 1: O iogurte para dar para o bebê, necessariamente tem que ser natural e sem açúcar. Os petit suisses vendidos no mercados contém corantes, aromatizantes e conservantes, substâncias estranhas ao nosso organismo (nós nutricionistas chamamos estas substâncias de xenobiótic…

Sem açúcar, com afeto ou porque não dar açúcar ao bebê!

Sempre me perguntam, por quê não dar açúcar ao bebê? Ou então: posso dar açúcar orgânico, mascavo, produto adoçante?


O seguinte: a resposta inicial, todo mundo já sabe. Açúcar branco é caloria vazia, logo, não faz bem pra ninguém, dieteticamente falando. Essa caloria vazia pode ser traduzida em excesso de peso lá na frente - uma das doenças de mais difícil tratamento: a obesidade.
Mas tem um motivo mais profundo aí. Que eu vou explicar agora.
A necessidade de comer açúcar (alimentos doces) é do adulto. O bebê está provando tudo. Ele não sabe, por exemplo, que o suco de maracujá tem que ser adoçado. Sério. Ele vai aprender o que você mostrar a ele. Ele não sabe que a banana pode ficar melhor com açúcar. Ou não. A necessidade é nossa, não do bebê.
Só que, por natureza, o bebê já vem gostando de doce de fábrica. Ofereça açúcar, iogurte adoçado, chocolate, pirulito e geralmente você verá um bebê que vai comer e se lambuzar. A lactose do leite materno é levemente adocicada.
Por isso, não é um dos…

Alimentação para maiores de 1 ano!

Eba! Chegou o tão esperado aniversário de 1 ano do bebê. Depois da correria da festa, voltamos ao dia-a-dia do bebê. Com uma nova dúvida. E a alimentação? Aí, passamos no pediatra, e ele indica: agora mãe, ele deve comer a alimentação família. A mãe comemora (ou não). Não precisa mais fazer papinhas... Aí eu entro: alimentação da família? Tenho medo dessa frase... prefiro dizer que agora a família vai comer a alimentação do bebê com a textura adaptada! Sabe porquê? Como é a alimentação dos adultos em casa? Você, mãe zelosa, vinha fazendo a alimentação perfeitinha, com todos os grupos alimentares e tal...como passou do primeiro ano, só arroz, feijão e carne é suficiente? Calma! Nada contra o arroz e o feijão, pelo contrário. Dupla fantástica, garante um prato quase completo. Lembra desse post? Quase completo por que o legume e/ou a verdurinha precisa acompanhar o prato. Como faziam na época da papinha. Portanto, a alimentação continuará com todos os grupos alimentares... fonte de carboidra…