Pular para o conteúdo principal

Meu filho não come - parte 3 dica especial!

Olá pessoal!

Vira e mexe, escrevo algo da minha vida pessoal aqui no blog, pois, como sabem, além de nutricionista infantil, sou mãe. Isto significa que muitas das dicas que escrevo aqui acontecem in loco na minha casa.
Hoje vou contar um episódio pessoal. Minha filha faz parte da série "filhos que não comem" - está entre aspas, pois quero dizer que ela não come muito, não que não come. Sempre foi assim, desde bebê. Bom, eu tenho uma facilidade em lidar com isso pois posso eu mesma, fazer avaliações que permitam verificar se ela está saudável. E ela sempre está, peso ideal pro tamanho, sem problemas nutricionais, comendo o que precisa para ter uma boa saúde.
Mas quem tem um "filho que não come" sabe do que estou falando. Qualquer coisa acaba com o apetite da criançada, e as vezes a criança quer pular uma refeição, o que deixa qualquer mãe preocupada. Somada a idade da minha filha, pré-adolescente, em que a demanda nutricional volta a crescer e a teiomosia também, não é uma coisa que posso deixar de lado.

Qualquer coisa tira o apetite da minha filha. E nessa semana que passou, dia 31 de outubro, foi o dia do Hallowen. Aqui no prédio, as crianças fazem a brincadeira parecida com a feita nos EUA, "trick or treating", e a nossa casa ficou cheia de balas. Quem me conhece sabe que não permito balas à vontade, pelo valor nutricional inexistente e também por tirar o apetite da Bia. E foi o que aconteceu, ela chupa bala e perde o apetite...

Também estava virando a cara pro arroz integral, o que ela comeu sempre tão bem. Pensei em uma estratégia para trazê-la novamente para o mundo da nutrição saudável.
Coisas boas estão ligadas a sensações boas como um todo. Organizei minha agenda para um dia pegar a Bia na escola no horário do almoço e fiz a proposta de um almoço especial mãe e filha em plena semana. A levei para um restaurante que eu adoro, o Moema Natural, e que já tinha comentado com a Bia. Moramos na Zona Leste de São Paulo, portanto teríamos (um bom) tempo para conversar no carro até lá.

O ambiente é gostoso, servem comidas maravilhosas e a Bia, sem pressão e num momento especial - o dia mãe-filha - comeu bem e se divertiu. Tudo bem que ela comeu o básico (arroz, purê de batata, alface, tomate, brócolis, vinagrete e proteína de soja pro almoço junto com o suco de frutas e de sobremesa, melancia, pavê de manga e gelatina) pois lá existem muitas opções de saladas e pratos diferentes, mas ela comeu bem. Disse que adorou o lugar e que achou muito legal não ter refrigerante (lá tem pra vender, mas eu não disse nada, uma pequena omissão)!

Então a dica é a seguinte: inclua a alimentação saudável em momentos especiais, sem brigas, num momento e em um ambiente agradável! Já percebeu que é assim com os doces? Festas, comemorações e afins são sempre recheados de guloseimas. Vamos usar a mesma estratégia para incentivar o consumo de vegetais, frutas, cereais....

O site do restaurante Moema Natural é http://www.moemanatural.com.br/. Vale várias visitas!!!!

Comentários

  1. Karine, acabei de achar seu blog num comentário de um post no Comer para crescer, adorei esse texto e vou estar sempre por aqui, tenho uma filha e 15 meses e muita preocupação em tentar conduzir ela pra ter hábitos de alimentação saudáveis, parabéns pelo blog,
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi, Karine.
    Adorei a dica porque estou passando o mesmo perrengue com Samuel. Ela está com 10 anos e a fome é de leão, mas gosta mesmo é de carne e carboidrato e se eu descuidar se acaba nos porcaritos. Vou tentar instituir esse dia da comida mais saudável, sem pressão, brigas ou críticas.
    beijos,
    Patricia

    ResponderExcluir
  3. Ola, Adorei o seu blog! Mães sempre precisam de umas dicas sobre nutrição infantil...minha filha tem 1 ano e meio, até come direitinho, mas no prato salgado, sempre cata o macarrao ou o arroz, a carne e as vezes cospe a verduras...outras vezes come, mas ela nao gosta de perder tempo comendo, quer brincar...frutas ela come de montao, mamadeira tambem duas vezes ao dia...quando era menorzinha comia tudo, agora descobriu os nomes e ja diz: nao qué abóbora, não que chuchu..hehe..dependendo da distração ela come mais...se for no meu colo e a comida do meu prato ela quer comer e enfia mao e pega as comidas...um trabalho!
    beijo. Flávia
    www.mamaefashion.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. oi,boa tarde
    preciso de umas dicas, porque a minha filha tem 1 e 7 meses e é muito chatinha para comer ,no momento ela não quer saber de arroz e feijão de jeito nenhum eu dou pra ela e ela cospe tudo ela só quer saber de comer tomate ,beterraba ,as vezez pepino e brocolis ,frutas ela come bem ,ela adora macarrão só que tem o intestino preso e a pediatra pediu pra cortar massas ,pães e essas coisas ..aaaa e ela também mama no peito e não quer saber de mamadeira ja tentei dar leite no copinho ou no canudinho mas foi sem sucesso ...meu deus o que faço ????estou perdida me ajuda ,me da uma luz ....
    já falei com a pediatra e ela fala pra insistir ....
    obrigada !!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Querida, o ideal é estabelecer os horários bem certinhos para as refeições, e continuar oferecendo os alimentos que ela não aceita. Se for utilizar massas, p~es, procure as versões integrais. E em relação ao leite: se ela mama o leite materno, não precisa se preocupar com outro leite... você pode servir à ela outras fontes de Cálcio. Veja no texto: E o Cálcio que meu filho precisa? daqui do blog!
      Abraços e boa sorte!

      Excluir

Postar um comentário

Comente! A nutri adora conversar!

Pots mais lidos

Iogurte na alimentação das crianças

Bom dia pessoal!
Vou seguir uma indicação de uma leitora querida, Alethéia, e escrever sobre iogurte na alimentação das nossas crianças.
Eu sou superfã deste alimento! Rico em Cálcio (sempre estimulo consumo de alimentos ricos  neste micronutriente pois nossa população está bem carente....), tem a lactose (açúcar do leite) fermentada e por isso é de fácil digestão, rico em probióticos, as tais bactérias benéficas que equilibram nossa flora intestinal, fortalece o sistema imunológico e facilita o trânsito intestinal, entre outros benefícios.  O iogurte pode ser incluido na alimentação do bebê após o início da alimentação complementar, isso é, com 6 a 7 meses aproximadamente. Com algumas ressalvas e detalhes.
Detalhe número 1: O iogurte para dar para o bebê, necessariamente tem que ser natural e sem açúcar. Os petit suisses vendidos no mercados contém corantes, aromatizantes e conservantes, substâncias estranhas ao nosso organismo (nós nutricionistas chamamos estas substâncias de xenobiótic…

Sem açúcar, com afeto ou porque não dar açúcar ao bebê!

Sempre me perguntam, por quê não dar açúcar ao bebê? Ou então: posso dar açúcar orgânico, mascavo, produto adoçante?


O seguinte: a resposta inicial, todo mundo já sabe. Açúcar branco é caloria vazia, logo, não faz bem pra ninguém, dieteticamente falando. Essa caloria vazia pode ser traduzida em excesso de peso lá na frente - uma das doenças de mais difícil tratamento: a obesidade.
Mas tem um motivo mais profundo aí. Que eu vou explicar agora.
A necessidade de comer açúcar (alimentos doces) é do adulto. O bebê está provando tudo. Ele não sabe, por exemplo, que o suco de maracujá tem que ser adoçado. Sério. Ele vai aprender o que você mostrar a ele. Ele não sabe que a banana pode ficar melhor com açúcar. Ou não. A necessidade é nossa, não do bebê.
Só que, por natureza, o bebê já vem gostando de doce de fábrica. Ofereça açúcar, iogurte adoçado, chocolate, pirulito e geralmente você verá um bebê que vai comer e se lambuzar. A lactose do leite materno é levemente adocicada.
Por isso, não é um dos…

Alimentação para maiores de 1 ano!

Eba! Chegou o tão esperado aniversário de 1 ano do bebê. Depois da correria da festa, voltamos ao dia-a-dia do bebê. Com uma nova dúvida. E a alimentação? Aí, passamos no pediatra, e ele indica: agora mãe, ele deve comer a alimentação família. A mãe comemora (ou não). Não precisa mais fazer papinhas... Aí eu entro: alimentação da família? Tenho medo dessa frase... prefiro dizer que agora a família vai comer a alimentação do bebê com a textura adaptada! Sabe porquê? Como é a alimentação dos adultos em casa? Você, mãe zelosa, vinha fazendo a alimentação perfeitinha, com todos os grupos alimentares e tal...como passou do primeiro ano, só arroz, feijão e carne é suficiente? Calma! Nada contra o arroz e o feijão, pelo contrário. Dupla fantástica, garante um prato quase completo. Lembra desse post? Quase completo por que o legume e/ou a verdurinha precisa acompanhar o prato. Como faziam na época da papinha. Portanto, a alimentação continuará com todos os grupos alimentares... fonte de carboidra…